Josh Haner para The New York Times
Josh Haner para The New York Times

Geração de Greta Thunberg é mais propensa a acreditar que a mudança climática é uma crise

Entre as descobertas da pesquisa 'People's Climate Vote', cerca de 70% das pessoas com menos de 18 anos acreditam que a mudança climática é uma emergência global, contra 58% das pessoas com mais de 60 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2021 | 04h35

GENEBRA - A geração da adolescente ativista climática Greta Thunberg se preocupa mais com o clima do que a dos pais e avós. É o que diz a maior pesquisa já realizada sobre o aquecimento global, confirmando o que muitas pessoas já suspeitavam.

Divulgada nesta quarta-feira, 27, a pesquisa organizada pela Universidade de Oxford e as Nações Unidas usou enquetes pop-up em jogos online como o Angry Birds para solicitar respostas de grupos difíceis de alcançar, incluindo aqueles muito jovens para votar. A pesquisa incluiu respostas de mais de 1,2 milhão de pessoas em 50 países, sendo a maior pesquisa já feita sobre mudanças climáticas.

Entre as descobertas da pesquisa "People's Climate Vote", cerca de 70% das pessoas com menos de 18 anos acreditam que a mudança climática é uma emergência global, contra 58% das pessoas com mais de 60 anos. A média geral foi de 64%.

Cassie Flynn, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, disse que isso mostra uma "onda de apoio a ações climáticas ambiciosas" que os líderes mundiais devem levar em consideração.

A pesquisa chega em um momento crítico para os governos, pois eles estão planejando pacotes de estímulo para se recuperar dos estragos provocados pela covid-19 e isso influenciará as gerações futuras, acrescentou.

“Isso fornece uma visão abrangente e sem precedentes de não apenas se as pessoas acreditam que há uma crise climática, mas também como querem resolvê-la, quais são suas prioridades para nos tirar dessa bagunça”, disse Flynn.

A crença pública na emergência foi maior na Grã-Bretanha, que deve sediar uma Cúpula global da ONU sobre mudança climática na Escócia em novembro, e na Itália, com 81 por cento. O apoio à ação climática em todos os lugares foi muito maior entre aqueles que haviam feito faculdade, mostrou a pesquisa.

No geral, a política climática mais popular foi os esforços para conservar florestas e terras, recebendo o apoio de 54% dos entrevistados. O menos popular foi a promoção de dietas à base de plantas. A pesquisa teve uma margem de erro de 2%, disseram os pesquisadores./Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.