Divulgação
Divulgação

Geoparque no CE está em situação precária

Denúncia é do Ministério Público Federal, que cobra do Geoparque Araripe infraestrutura para receber visitantes e segurança para o patrimônio

Lauriberto Braga, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2012 | 03h07

FORTALEZA - Único geoparque da América Latina e integrante da Rede Global de Geoparques com reconhecimento da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), o Geoparque Araripe, localizado entre seis cidades do Cariri cearense, está em situação precária. É a constatação do Ministério Público Federal, que instaurou um procedimento administrativo para reverter a atual situação.

O procurador da República no Ceará, Rafael Rayol, que instaurou o procedimento administrativo, destaca que "todos os geossítios do Geoparque Araripe estão sem infraestrutura" para o recebimento de visitantes. "Inexiste segurança, tanto para o patrimônio cultural ali exposto quanto para os visitantes", continua.

Ele afirma em seu despacho que "qualquer um pode adentrar nos geossítios e subtrair ou danificar o que bem entender". Também cita a falta de "guias para atender a população e promover a função essencial do geoparque, de fomentar a educação ambiental e o desenvolvimento sustentável na região".

Geoparque é uma marca atribuída pela Unesco a uma área com excepcionalidades geológicas que devem ser protegidas e aproveitadas como elementos indutores de educação ambiental e desenvolvimento sustentável. "Um geoparque deve gerar atividade econômica, notadamente pelo turismo, e envolver um número de sítios geológicos de importância científica, raridade ou beleza", informa a Unesco.

O Geoparque Araripe abrange uma área de 3,8 mil km² entre Crato, Juazeiro do Norte, Barbalha, Missão Velha, Nova Olinda e Santana do Cariri. O geoparque contém a principal jazida de fósseis cretáceos do Brasil e a maior concentração de vestígios de pterossauros do mundo. Tem 20 ordens diferentes de insetos fossilizados, com idade entre 70 milhões e 120 milhões de anos.

A administração do geoparque informou que está tomando as providências exigidas.

Mais conteúdo sobre:
GeoparqueAraripe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.