Gaivotas viram 'ameaça' em Londres

Ataque de aves, que duplicaram desde os anos 80, está cada vez mais frenquente na área urbana

Efe, Efe

18 de agosto de 2010 | 09h56

LONDRES - Uma associação protetora de aves britânica, a RSPB, advertiu nesta quarta-feira que o número de gaivotas que sobrevoam Londres duplicou desde os anos 80, e que os animais representam uma "nova ameaça urbana" para os moradores e visitantes da capital britânica.

 

A associação recomenda que as pessoas não se aproximem das aves, nem deem comida, pois cada vez são mais frequentes seus ataques aos transeuntes.

 

Os especialistas explicaram que foram dadas boas condições na época de reprodução das aves, o que causou sua proliferação em Londres.

 

As gaivotas buscam comida em meio ao lixo que há nas ruas e contêineres, sem se importar com as pessoas que passam pela rua.

 

As queixas sobre sua agressividade chegaram até à rede de microblogs Twitter, onde a cantora britânica Lily Allen afirmou que nunca antes tinha visto gaivotas no distrito central de Londres. "Deve ser a mudança de tempo", deduziu a cantora.

 

Um porta-voz da RSPB, Tim Webb, esclareceu que, no verão atual, as gaivotas voltaram muito mais "escandalosas", o que fez com que as pessoas percebam mais.

 

"Cada vez há mais gaivotas que vivem em Londres, pois já não há navios pesqueiros aos quais seguiam até o mar para comer, e a maioria cria seus ninhos nos telhados da cidade", explicou Webb.

 

A associação protetora advertiu que a população de gaivotas na cidade continua crescendo, por isso recomendaram às administrações dos diferentes distritos londrinos que criem latas de lixo "à prova de gaivotas".

 

"Costuma-se pensar que as gaivotas são agressivas, mas o certo é que só agem assim quando se sentem ameaçadas ou quando estão protegendo suas crias", concluiu Webb.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.