Furacão Ike pode atingir Flórida e Golfo do México

O furacão Ike mudou de curso e pode estar deslocando-se em direção a uma rota potencialmente perigosa, no extremo sul da Flórida, antes de atingir o centro produtor de petróleo do Golfo do México, disse uma autoridade de emergência dos Estados Unidos na sexta-feira. "É o típico cenário ruim para nós, para penetrar no Golfo", disse o administrador-assistente da Agência Federal de Gerenciamento de Emergência, Glenn Cannon. Ele afirmou também que moradores retirados por autoridades federais na última semana por causa do furacão Gustav devem retornar a suas casas até domingo, e que as retiradas obrigatórias por causa da tempestade tropical Hanna devem ser mínimas ao longo da costa sudoeste dos Estados Unidos. Ele disse a jornalistas que 685 mil casas permaneciam sem eletricidade após a chegada do furacão Gustav à Louisiana. O violento furacão Ike perdeu força ao atravessar o Atlântico na sexta-feira, encaminhando-se para o sul da Flórida e as áreas norte-americanas de extração de petróleo no golfo do México. No mesmo dia, a tempestade tropical Hanna encontrava-se prestes a atingir os Estados da Carolina do Norte e da Carolina do Sul depois de ter matado ao menos 136 pessoas no Haiti. O Hanna deve ficar um pouco aquém de um furacão de Categoria 1 ao atingir a Costa Leste dos EUA, na manhã de sábado, disse o Centro Nacional de Furacões (NHC). Apesar disso, as autoridades da área declararam estado de emergência, áreas de camping da região costeira foram desocupadas e alertas de tempestade começaram a vigorar da Geórgia a Nova Jersey, incluindo a capital norte-americana, Washington. Na sexta-feira, o Hanna, terceira tempestade tropical da atual temporada de furacões do Atlântico, afastava-se das Bahamas, um país formado por cerca de 700 ilhas. O Ike promete ser mais perigoso. O furacão, que na quinta-feira chegou à Categoria 4 na escala de cinco níveis Saffir-Simpson, perdeu parte de sua força, passando à Categoria 3, com ventos sustentáveis de 195 quilômetros por hora, afirmou o NHC, cuja sede fica em Miami. Às 11h (12h em Brasília), o Ike encontrava-se cerca de 685 quilômetros ao norte das ilhas caribenhas Leeward e ainda demoraria alguns dias até atingir qualquer pedaço de terra firme. Pode ser que o furacão perca um pouco mais de força, mas, segundo o NHC, o Ike continuaria a ser uma "grande" tempestade de Categoria 3 ou mais. Os meteorologistas ainda não sabem dizer com algum grau de segurança qual o caminho será seguido pela tempestade. A previsão mais recente do órgão norte-americanos diz que o Ike atravessará a ilha de Florida Keys como um destrutivo furacão de Categoria 4, ingressando então no golfo do México, onde cerca de 4.000 plataformas marítimas produzem um quarto do petróleo e 15 por cento do gás natural dos EUA, um grande consumidor de energia. Alguns modelos de previsão levam o Ike para perto da área densamente povoada de Miami, no sudeste da Flórida, onde 1,3 milhão de pessoas poderiam ser obrigadas a abandonar suas casas. "Várias tempestades estão vindo na nossa direção. Mas precisamos continuar vigilantes, concentrados e calmos", afirmou o governador da Flórida, Charlie Crist. O ataque de um furacão de Categoria 4 contra Miami representaria um imenso desastre por causa dos bilhões de dólares em imóveis vulneráveis situados em regiões de baixa altitude como Miami Beach e a região costeira da península da Flórida. Além disso, milhões de pessoas ficariam sem energia elétrica por um longo período de tempo.

GENE CHERRY E RANDALL MIKKELSEN, REUTERS

05 Setembro 2008 | 18h30

Mais conteúdo sobre:
CLIMA EUA FURACOES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.