Furacão Ike chega à categoria 4; Hanna também ganha força

O furacão Ike ganhou forçarepentinamente e atingiu na quarta-feira a categoria 4 no meiodo Atlântico. Em menor grau, a tempestade Hanna também seintensificou ao passar sobre as Bahamas em direção ao sudestedos EUA. O Ike não constituiu um perigo imediato a nenhuma ilha oucontinente, mas assusta por ter, em poucas horas, passado desimples tempestade a um furacão da categoria 4 (na escalaSaffir-Simpson, que vai até 5). Ele tem agora ventos de quase230 quilômetros por hora e segundo o último boletim do CentroNacional de Furacões dos EUA estava 885 quilômetros a nordestedas ilhas Sotavento, deslocando-se para oeste-noroeste a 28quilômetros por hora. Embora houvesse a previsão de que ele chegará no começo dasemana que vem às Bahamas, ainda é impossível dizer se eleatingirá áreas habitadas ou a produção de petróleo e gás noGolfo do México. No Haiti, a tempestade Hanna matou mais de 60 pessoas einundou partes do país, deixando moradores ilhados. Opresidente René Préval disse tratar-se de uma "catástrofeextraordinária", comparável à tempestade que matou 3.000pessoas há quatro anos no país. Hanna deve passar na quinta-feira sobre o centro e nortedas Bahamas, voltando a ter a força de um furacão (ventos apartir de 119 quilômetros por hora). No sábado, deve atingir olitoral dos EUA na altura da divisa entre Carolina do Norte eVirgínia. O governo das Bahamas suspendeu o alerta de furacões nonoroeste do arquipélago. Mas tanto as Bahamas quanto as ilhasTurcos e Caicos continuam sob alerta de tempestade, segundo oCentro de Nacional de Furacões dos EUA. Os meteorologistas dizem que o Hanna se comporta como "umtenaz ciclone tropical" que deve voltar a ser um furacão emmenos de dois dias. "Um estado de observação para furacões podeser necessário para uma porção da costa sudeste dos EUA namadrugada de quinta-feira", diz o último boletim. Outra tempestade, Josephine, vem se deslocando peloAtlântico nas pegadas do Ike, mas já começou a perder força. Na segunda-feira, o furacão Gustav atingiu a costa daLouisiana, depois de provocar estragos no Caribe, especialmenteno Haiti, onde matou 75 pessoas. (Reportagem adicional de Tom Brown em Miami)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.