Furacão Ike atravessa Golfo do México rumo ao Texas

O furacão Ike atravessava o Golfo doMéxico na quarta-feira, encaminhando-se para o Estadonorte-americano do Texas depois de ter derrubado construçõesmal conservadas em Havana e ter provocado danos em toda a ilhacomunista. O Ike, um furacão de Categoria 1, com ventos de 140quilômetros por hora, deixou uma longa trilha de destruição noCaribe e fez com que empresas do setor de energia ficassem commedo de que ele pudesse fazer o mesmo nas plataformas marítimasdo golfo. Essas empresas retiraram seus funcionários da área eparalisaram suas operações ali. Segundo meteorologistas, o Ike deve ganhar força sobre aságuas quentes do golfo e tornar-se novamente um grande furacão,chegando à Categoria 3 da escala Saffir-Simpson (de cinconíveis), com ventos de no mínimo 178 quilômetros por hora. No entanto, as previsões mais recentes dão conta de que atempestade atingirá a parte central da costa do Texas, passandoa oeste da principal região produtora de combustíveis do golfo.Essas plataformas são responsáveis por fornecer um quarto dopetróleo e 15 por cento do gás natural norte-americanos. O Centro Nacional de Furacões (NHC), um órgão dos EUA,advertiu que suas projeções continuavam sujeitas a alterações. A cidade de Nova Orleans, ainda traumatizada pelo Katrina(furacão que matou 1.500 pessoas e provocou danos de 80 bilhõesde dólares na costa norte-americana do golfo em 2005), pareciaestar fora de perigo. Às 6h (horário de Brasília), o Centro disse em seu boletimmais recente que o Ike encontrava-se 200 quilômetros anorte-nordeste do extremo oeste de Cuba e cerca de 750quilômetros a sudeste da boca do rio Mississippi. O furacão locomovia-se na direção oeste-noroeste a umavelocidade de 13 quilômetros por hora e deve continuar nessecaminho pelos próximos um ou dois dias. Um volume de chuvas de até 7,6 centímetros pode despencarsobre as ilhas de baixa altitude da Flórida, que tambémpoderiam ser atingidas por colunas de água, grandes ondas etornados isolados na quarta-feira, disse o Centro. O sudoestedaquele Estado deve receber até 10 centímetros de chuva. No mesmo dia, em Cuba, as grandes ondas e as colunas deágua devem perder força, mas as chuvas fortes no oeste da ilhaainda poderiam causar enchentes-relâmpago, disse o Centro. (Reportagem adicional de Esteban Israel, Marc Frank, RosaTania Valdes e Nelson Acosta em Havana, Stephanie Nebehay emGenebra, Jim Loney em Miami)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.