Furacão Igor pode chegar à categoria máxima, mas sem tocar terra

O furacão Igor se dirigia para oeste no Oceano Atlântico como uma tempestade de categoria 4 e pode se fortalecer ainda mais nesta segunda-feira, segundo previsão dos meteorologistas.

REUTERS

13 de setembro de 2010 | 07h46

Um furacão dessa categoria é capaz de causar danos catastróficos, mas o Igor não apresentava nenhuma ameaça imediata para o continente ou a infraestrutura de energia.

Segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o Igor mantinha ventos máximos sustentados de 240 quilômetros por hora e nesta segunda-feira poderia chegar à categoria 5, na escala de intensidade de furacões Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5.

Às 6 horas da manhã, Igor estava a 1.515 quilômetros a leste das Ilhas Leeward, no norte do Caribe, segundo o Centro.

Atrás de Igor vem se formando a tempestade tropical Julia, no extremo leste do Oceano Atlântico, que será a décima da temporada de furacões na região em 2010.

(Reportagem de Tom Brown)

Tudo o que sabemos sobre:
AMBIENTEFURACAOIGOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.