Furacão Gonzalo deve ganhar força sobre o Atlântico nesta terça-feira

O furacão Gonzalo deve se tornar um furacão de grande porte nesta terça-feira, enquanto se move pelas águas abertas do Oceano Atlântico e se distancia das ilhas caribenhas ao norte, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês).

REUTERS

14 Outubro 2014 | 12h19

O NHC afirmou que o centro do Gonzalo, um furação de Categoria 2, tomou o rumo noroeste, afastando-se das Ilhas Virgens britânicas e norte-americanas e de Porto Rico e levando à suspensão dos alertas de tempestade nestas áreas.

As ilhas de St. Martin e St. Barthélemy continuam sob alerta de tempestade tropical, declarou o organismo sediado em Miami.

A maioria das previsões mostrou que o Gonzalo não representa ameaça ao território continental dos EUA e que está se afastando ainda mais na direção do Atlântico.

O Gonzalo estava cerca de 170 quilômetros ao norte de St. Thomas, nas Ilhas Virgens norte-americanas, com ventos constantes de 175 quilômetros por hora no início desta terça-feira, disse o centro.

Um grande furacão é considerado de Categoria 3 ou maior se seus ventos chegarem a pelo menos 178 quilômetros por hora.

Correntes de retorno (refluxo do volume de água que retorna da costa para o mar) perigosas, causadas pelo engrossamento da tempestade, devem afetar as Ilhas Virgens, a costa norte de Porto Rico e partes das Bahamas, disseram os meteorologistas.

Na segunda-feira, as chuvas e os ventos fortes do Gonzalo destruíram vários barcos de pesca, arrancaram telhados e derrubaram linhas de transmissão de energia em Antígua e Barbuda.

O primeiro-ministro antiguano, Gaston Browne, ordenou o fechamento de escolas para a realização de um esforço nacional de limpeza nesta terça-feira, para que a nação esteja “totalmente de volta ao funcionamento” na quarta-feira.

O Gonzalo é o sexto furacão da temporada de furacões de 2014 no Atlântico, que vai até o final de novembro.

Em agosto, os meteorologistas previram uma atividade mais fraca que a costumeira nesta temporada, com 7 a 12 tempestades já conhecidas e batizadas e não mais que duas chegando à condição de furacão de grande porte.

(Por Colleen Jenkins, David Adams, Curtis Skinner e Reuters em San Juan)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE FURACAO CARIBE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.