Furacão Gonzalo ameaça Bermuda com tempestade e ventos perigosos

O furacão Gonzalo se precipitou rumo a Bermuda nesta sexta-feira e deve ocasionar ventos arrasadores e uma perigosa leva de tempestades, já sendo uma das maiores tempestades de que se tem registro a ameaçar a ilha do Oceano Atlântico, disseram meteorologistas.

SAM STRANGEWAYS, REUTERS

17 Outubro 2014 | 11h37

Gonzalo se movia 310 quilômetros ao sul-sudoeste do território britânico, com ventos constantes de 215 quilômetros por hora, segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês).

Estava previsto que a tempestade de Categoria 4 iria chegar à Bermuda com características de tempestade tropical no início desta sexta-feira e como furacão ao longo da tarde.

Os meteorologistas afirmaram que o olho da tempestade ficaria perto da ilha já no início da tarde de sexta-feira, com ventos de furacão se estendendo por até 95 quilômetros a partir do centro.

Gonzalo deve enfraquecer-se lentamente ao longo desta sexta-feira e do final de semana, declarou o centro sediado em Miami, mas é provável que se torne um furacão perigoso quando se mover rumo ou sobre Bermuda.

A ilha, destino turístico popular e polo do setor de seguros, ainda se recupera da tempestade tropical Fay, que a varreu no começo do domingo, com ventos de 110 quilômetros por hora, quase equivalentes aos de um furacão.

Linda Cook, moradora de 40 anos da paróquia de Warwick, relatou ter visto a última tempestade arrancar os telhados de três casas e disse não saber o que esperar do Gonzalo. “É meu primeiro furacão, estou aterrorizada”, declarou na quinta-feira.

Gonzalo é o primeiro furacão de Categoria 4 do Atlântico desde 2011, de acordo com Jeff Masters, especialista em furacões do centro meteorológico privado Weather Underground. Ele descreveu o fenômeno em seu blogue como “um dos furacões mais fortes que já ameaçaram a ilha”.

A tempestade já fez estragos no Caribe, matando um marinheiro idoso e danificando cerca de três dezenas de embarcações em St Maarten, a porção holandesa da Ilha de Saint Martin, segundo o jornal Daily Herald.

(Reportagem adicional de Colleen Jenkins)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE FURACAO BERMUDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.