Fundo Amazônia aprova mais três projetos

Pará, Amazonas e Mato Grosso devem usar dinheiro para viabilizar a adesão dos produtores rurais ao Cadastro Ambiental Rural

estadao.com.br

16 de setembro de 2010 | 19h58

O BNDES aprovou mais três projetos do Fundo Amazônia, com apoio financeiro total de R$ 38,7 milhões. O maior deles, destinado ao Estado do Amazonas, receberá R$ 20 milhões. Outro destinará R$ 15,9 milhões ao governo do Pará, e o terceiro, de R$ 2,8 milhões, direcionará recursos ao município de Alta Floresta, no Mato Grosso.

 

O Fundo, que é administrado pelo BNDES, capta recursos de doações voluntárias para financiamento de ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento, bem como projetos para conservação e uso sustentável das florestas na Amazônia.

 

Como estas aprovações subiu para oito número de projetos que já receberam recursos do Fundo Amazônia, somando R$ 109 milhões. A carteira do Fundo conta, atualmente, com 63 projetos.

 

O estado do Amazonas receberá R$ 20 milhões para desenvolver um projeto apresentado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS), com o objetivo de fortalecer a gestão ambiental em áreas sob intensa pressão pelo desmatamento, nos municípios de Boca do Acre, Lábrea, Apuí e Novo Aripuanã. A ideia é recompor Áreas de Preservação Permanente e Reservas Legais e consolidar o Cadastro Ambiental Rural (CAR) estadual.

 

Ja os R$ 15,9 milhões destinados ao Pará serão usados para reforçar ações de combate e monitoramento do desmatamento. O dinheiro será usado para promover a estruturação física e operacional da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e de secretarias municipais de Meio Ambiente.O intuito é descentralizar atividades, consolidando as unidades regionais da Secretaria em Marabá, Santarém, Paragominas, Redenção, Itaituba e Bragança. O projeto também inclui a criação de instrumentos para emissão do CAR. Ao aderirem ao cadastro, os proprietários rurais devem se comprometer a recuperar as áreas degradadas ou desmatadas ilegalmente.

 

No Mato Grosso, o município de Alta Floresta receberá R$ 2,8 milhões para pôr em prática o projeto Olhos D’Água da Amazônia, cujos objetivos são basicamente os mesmos dos projetos paraense e amazonense: fortalecimento da gestão ambiental na região, apoio ao processo de registro das pequenas propriedades no CAR e fomento à recuperação de áreas de preservação permanente degradadas próximas às nascentes localizadas em pequenas propriedades.

 

Com essa estratégia, a prefeitura de Alta Floresta irá realizar e integrar as atividades de planejamento (diagnóstico), de regularização ambiental (CAR) e de recuperação de áreas degradadas. O CAR será utilizado pelo governo como uma primeira etapa para o licenciamento ambiental e a regularização fundiária, na medida em que são firmados termos de compromisso para a adequação ambiental da posse ou da propriedade rural. O projeto de Alta Floresta enfrentará, principalmente, o problema da degradação de determinadas áreas de nascentes. Atualmente, 50% do município foi desmatado e apenas 49% das 6.545 nascentes estão preservadas, conforme dados da Secretaria de Meio Ambiente de Alta Floresta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.