Victor Moriyama/Greenpeace/AFP
Victor Moriyama/Greenpeace/AFP

Fumaças de incêndios na Amazônia chegam ao Uruguai

Ministério de Saúde Pública divulgou comunicado para alertar sobre os riscos provocados pela fumaça dos incêndios florestais

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 02h24

MONTEVIDÉU - Os uruguaios foram surpreendidos nesta terça-feira, 27, por uma forte neblina que cobriu o céu do país, um fenômeno provocado pela chegada da fumaça dos incêndios que se alastram por áreas de Floresta Amazônica em vários países da região, especialmente nos territórios de Brasil e Bolívia.

A presença da fumaça gerada pelos incêndios na Amazônia foi confirmada pelo técnico-chefe do Instituto Uruguaio de Meteorologia (Inumet), Néstor Santayana, que disse à imprensa local que o material está em uma altitude considerável na atmosfera, não perto do solo.

Diante da preocupação da população, o Ministério de Saúde Pública do Uruguai divulgou um comunicado para alertar os uruguaios sobre os riscos provocados pela fumaça dos incêndios florestais. O órgão informou, porém, que nenhum incidente relacionado ao fenômeno foi registrado no país até o momento.

Entre os problemas que a presença da fumaça pode causar, o governo do Uruguai destacou uma possível irritação do sistema respiratório e o agravamento de doenças cardíacas e doenças pulmonares crônicas. Os sintomas imediatos informados são tosse, ardência nos olhos, dor no peito, dor de cabeça, ataques de asma, cansaço e ritmo cardíaco acelarado.

"Inclusive pessoas saudáveis podem ficar doentes se houver uma quantidade suficiente de fumaça no ar", disse o ministério, em nota.

As imagens da Amazônia em chamas ganharam os jornais de todo o mundo e colocaram sob xeque as políticas ambientais do governo de Jair Bolsonaro, que foi criticado por várias lideranças europeias, em especial o presidente da França, Emmanuel Macron, pela situação. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.