Defesa Civil Santa Catarina
Defesa Civil Santa Catarina

Fumaça das queimadas no Pantanal contamina chuva em Santa Catarina

Fumaça viajou mais de mil quilômetros, transportada por ventos noroestes de baixos níveis; fenômeno já foi registrado na semana passada no Rio Grande do Sul

Fábio Bispo e Lucas Rivas, Especial para o Estadão

18 de setembro de 2020 | 16h37

FLORIANÓPOLIS - A fumaça das queimadas no Pantanal chegou em Santa Catarina através de uma chuva escura. O fenômeno foi registrado em municípios do Oeste, Meio Oeste e Planalto Norte do Estado. A fumaça viajou mais de mil quilômetros, transportada por ventos noroestes de baixos níveis, e acabou contaminando a água da chuva.

O fenômeno é acompanhado pelo setor de hidrologia da Defesa Civil de Santa Catarina e pelos meteorologistas da Epagri/Ciram. A fumaça foi identificada através de imagens de satélites, no qual foi possível identificar a origem nas queimadas de vegetações, e chegou a ser visualizada na Grande Florianópolis. A chuva foi identificada pelos satélites no início da semana e a ocorrência da precipitação foi registrada na quinta-feira, 17.

O coordenador de monitoramento e alerta da Defesa Civil catarinense, Frederico de Moraes Ruthorff, informou que “a água da chuva contaminada pode conter compostos tóxicos, portanto alguns cuidados devem ser tomados se for realizar a captação em cisternas para consumo humano ou animal”.

Segundo o meteorologista da Epagri, Marcelo Martins, o deslocamento de fumaça por longas distâncias é algo comum, no entanto, quanto maior o volume de fumaça na origem, mais distante ela pode chegar. “O vento nordeste traz o ar úmido da região amazônica e do Pantanal, assim como os ventos do quadrante sul também levam o ar seco e frio para aquela região. Isso não é incomum, mas quanto mais fumaça, e dependendo dos ventos, mais longe ela chega”, explicou.

Nas comunidades agrícolas do interior catarinense é comum a captação e armazenamento de água da chuva em cisternas. Segundo a Defesa Civil, nessas regiões, além da qualidade da água, é necessário analisar também qualidade do ar, para identificar a possibilidade de chuva contaminada.

O fenômeno, no entanto, está com os dias contados, pelo menos por enquanto. Segundo a meteorologia, a partir deste fim de semana, uma frente fria chega a Santa Catarina, com ventos do quadrante sul, empurrando a fumaça no sentido contrário.

Fumaça das queimadas ainda paira na região Noroeste do RS

Presente desde a semana passada, a nuvem de fumaça provocada pelas queimadas no Pantanal permanece pairando no Rio Grande do Sul. Mesmo perdendo força, ainda há o registro de fumaça na região noroeste com maior incidência no oeste catarinense, conforme imagens de satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Na última semana, o Estado também teve registro de “chuva preta”, ocasionada pela fuligem na região.

“É algo bastante expressivo e chocante. Está ficando cada vez mais frequente. É triste falar, pois o foco das queimadas está aumentando no Brasil e se transformado em um problema cíclico que prejudica o meio ambiente e a saúde humana”, advertiu o meteorologista Fábio Luengo, da Somar Meteorologia.

Segundo o especialista, a nuvem de cinzas e poeira vinda do Pantanal acaba sendo transportada para região Sul do país pelo fato de estar a cerca de 1,5 km de altura da superfície. Além destes focos de incêndio, a região também é impactada por nuvens de queimadas vindas de Argentina, Paraguai e Bolívia.

Conforme Marcelo Felix Alonso, professor da Faculdade de Meteorologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), o registro de uma frente fria ajudou a dissipar em grande parte a nuvem de fumaça no Rio Grande do Sul. “Alguns moradores da região Norte e Centro-Oeste do estado encontraram água preta proveniente da fuligem. É bem provável que todo aquele material que foi transportado do Pantanal tenha sido depositado na água”, afirmou.

Embora tenha ocorrido o registro de “chuva preta”, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) não computou o registro de prejuízos causados pela precipitação.

Concentrada nesta sexta-feira no Sudeste, a nuvem já tinha tingido de laranja o horizonte de diferentes cidades gaúchas dias atrás. A MetSul Meteorologia constatou que o céu alaranjado em Gravataí, na Grande Porto Alegre, era proveniente das queimadas na região amazônica e de países vizinhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.