Armanda Nacional Uruguai
Armanda Nacional Uruguai

Fragata do Uruguai abriu fogo contra navio pesqueiro do Brasil

Barco foi apreendido com 10 tripulantes e levado para o porto de La Paloma

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2019 | 11h30

A Marinha do Uruguai apreendeu um navio médio do Brasil, o Tatuira, que realizava pesca ilegal de corvina, badejo e possivelmente também de atum. Foi na madrugada de domingo, 13, em águas territoriais uruguaias, a cerca de 130 km a nordeste do movimentado porto de La Paloma.

Na operação, a fragata ROU 1 abriu fogo, disparando tiros de advertência pouco adiante da embarcação comercial, matriculada no Rio Grande do Sul, para bloquear uma tentativa de fuga. O navio em condição irregular foi avistado primeiro por um voo de patrulha da aviação naval, que acionou o esquema de patrulha e colocou a fragata em rota de interceptação acelerada. O Tatuira foi alcançado por volta das 5 horas.

O comandante recebeu ordens de desligar as máquinas, permitir a abordagem por um grupo de fuzileiros e depois redirecionar o seu percurso rumo a La Paloma. O barco ainda tentou escapar do cerco, tomando a direção dos limites brasileiros. "Nessa manobra quase colidiu com o navio militar; foi necessário abrir fogo", disse um porta voz do Comando Geral da Armada (CGA).

 

No terminal marítimo, os dez tripulantes e o pesqueiro foram entregues nesta segunda-feira, 14, à tarde, à polícia local e às autoridades da Diretoria de Recursos Aquáticos. Em nota oficial, a Marinha do Uruguai informou que quatro dos seis porões de bordo já estavam cheios no momento do apresamento.

A empresa proprietária da embarcação será processada por pesca ilícita, a mesma acusação que deve pesar sobre o pessoal detido. Terá de ser paga uma multa arbitrada por um juiz. A carga foi confiscada. Até as 19h30 de ontem a Marinha do Brasil não havia se manifestado a respeito do incidente.

 

O governo uruguaio intensificou há dois anos os procedimentos de vigilância e reconhecimento na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) de 142.166 km² sobre o mar, reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Nos 600 km de litoral são encontrados grandes cardumes de 50 diferentes espécies, muitas delas de águas frias e de alto preço.

Embora tenha poucos recursos para exercer o controle da área, a Defesa do país investiu na modernização de seu único avião especializado para esse tipo de missão, um Beechcraft B200T, bimotor turboélice com alcance na faixa média de 2,5 km. Com duas posições de observação ótica e visual, a aeronave emprega sistemas eletrônicos americanos e israelenses de busca e localização capazes de operar dia e noite ou sob condições meteorológicas adversas. No domingo, o B200T voava armado, levava sete foguetes de 70 mm.

 

Na superfície, o navio mais próximo do ponto em que o pesqueiro foi visto era a única fragata da força naval de Montevidéu, a ROU 1 Uruguay, de fabricação francesa, comprada usada de Portugal. Com 52 anos de uso, o navio foi submetido a uma revisão em 2008 e parcialmente atualizado tecnologicamente em 2012. Desloca 2.230 toneladas e é rápido – navega a 55 km/hora a plena carga, com um helicóptero leve no convés de voo e pouco mais de 100 homens e mulheres embarcados.

Na operação de interceptação do Tatuira, levava a bordo um time de fuzileiros, combatentes de operações especiais, para conduzir a abordagem a partir de lanchas rápidas. Os disparos de advertência em direção ao barco brasileiro teriam sido feitos por metralhadoras 12.7 mm ou por um dos canhões de 100 mm.   

Mais conteúdo sobre:
pescaUruguai [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.