FMI: elevar preço do carbono não prejudica recuperação econômica

Os governos podem adotar uma abordagem mais ambiciosa em relação aos preços do carbono para enfrentar as mudanças climáticas sem prejudicar a recuperação da economia global, disse o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta sexta-feira.

REUTERS

04 Dezembro 2009 | 13h15

A entidade afirmou em documento, antes da reunião da ONU sobre o clima em Copenhague, que a lenta recuperação econômica não deve impedir os países de implantarem medidas para reduzir as emissões de gases-estufa que provocam o aquecimento global.

"A crise econômica não muda o desafio básico do clima", disse o FMI. "Uma mudança cuidadosa mais agressiva para os preços do carbono (por meio de impostos ou do mercado de crédito de carbono) não precisa impedir a recuperação."

O FMI aconselhou os países a não negociarem os créditos de carbono com empresas enquanto esperam a aprovação de uma nova legislação ambiental dos EUA que pode baixar os custos iniciais do crédito de carbono.

Ao mesmo tempo, o FMI afirmou que os governos devem proceder com cuidado para não prejudicarem a recuperação econômica com aumentos excessivos e inesperados no preço do carbono.

(Reportagem de Lesley Wroughton)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE FMI CARBONO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.