Filhote de baleia franca encalha morto em Jaguaruna

Ocorrência de mortalidade de filhotes é de cerca de 10%; até agora, três filhotes encalharam nesta temporada

estadao.com.br

17 de setembro de 2010 | 20h31

Um filhote de baleia franca encalhou já morto na Praia de Campo Bom, município de Jaguaruna, a 157 quilômetros de Florianópolis (SC). Pesquisadores do Projeto Baleia Franca (PBF-Brasil) foram chamados ao local para coletar amostras do cetáceo para exames.

 

"O filhote era um macho, que media 4m30cm de comprimento. Ele já encalhou morto, com diversos hematomas e marcas de colisão com embarcação, o que provavelmente provocou sua morte", explica a Diretora de Pesquisa do Projeto Baleia Franca, Karina Groch.

 

Na última quarta-feira, durante o sobrevoo realizado pelo Projeto Baleia Franca e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o biólogo Ph.D., Paulo Flores, do Centro Mamíferos Aquáticos, fez o registro fotográfico de 36 filhotes entre as 102 baleias avistadas. O total de cetáceos presentes em nossa costa faz com que o número de óbitos de filhotes desta temporada ainda esteja de acordo com o esperado.

 

"Esta é mais uma ocorrência negativa no que diz respeito à recuperação populacional da espécie, entretanto está dentro da normalidade. A mortalidade de filhotes desta espécie é de aproximadamente 10% do total de nascimentos e, neste ano, foram três óbitos de filhotes para, pelo menos, 36 nascidos", afirma Karina.

 

As francas, ao contrário de outras espécies, tem hábitos costeiros e dificilmente encalham, exceto quando já estão doentes ou mortas. "É importante destacar que nas últimas duas décadas a média anual de encalhes é de aproximadamente dois registros, variando ano a ano. Em 2009, por exemplo, tivemos apenas um registro de encalhe de filhote morto, enquanto neste ano houve três registros. Esta variação é diretamente proporcional à quantidade de baleias registradas por nós, ou seja, é natural que com mais indivíduos presentes em nossa costa ocorram também mais encalhes", contou a bióloga.

 

Em caso de encalhes, há um protocolo homologado pela APA da Baleia Franca no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) "O objetivo do protocolo é articular a rede de instituições que podem contribuir nos casos de ocorrência de encalhes, seja de animais vivos ou mortos. Neste caso, tivemos o apoio da Prefeitura Municipal de Jaguaruna, que foi quem oficializou o registro. Agora que amostras do animal já foram coletadas para análise, o corpo será enterrado", explicou Maria Elizabeth Carvalho da Rocha, Chefe da APA da Baleia Franca.

Tudo o que sabemos sobre:
baleiafrancafilhotemortoencalhado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.