Falta de metas para Copenhague é 'absurdo', afirma Dilma

O Brasil já assumiu publicamente o compromisso de reduzir de 36,1% a 38,9% as emissões de CO2

Equipe AE,

22 Novembro 2009 | 14h23

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, qualificou de "absurda" a possibilidade de os países desenvolvidos deixarem de apresentar metas concretas de redução de gases causadores do efeito estufa, em dezembro, na conferência das Nações Unidas sobre o clima em Copenhague. O Brasil já assumiu publicamente o compromisso de reduzir de 36,1% a 38,9% as emissões de gás carbônico até 2020.

 

Veja também:

link Dinamarca confirma 65 líderes mundiais na cúpula do clima

link Estudo aponta que CO2 está saturando oceanos do mundo

 

"É impossível que os maiores poluidores do planeta não sejam instados a colocar os números na mesa, concretos", completou a ministra em entrevista hoje (22), em Brasília. Ela cobrou, ainda, a apresentação de metas pelos países desenvolvidos para disponibilizar aos países em desenvolvimento os recursos necessários que as medidas de combate ao aquecimento global sejam adotadas.

 

Dilma Rousseff lembrou que foi obtido um consenso nas reuniões preparatórias para o encontro de Copenhague de que, sem a apresentação de metas efetivas, seria impossível dar andamento a qualquer tentativa de acordo a fim de reduzir os gases causadores do aquecimento global.

 

A postura do Brasil na reunião de Copenhague será justamente neste sentido, afirmou a ministra. Dilma ressaltou que a adoção de compromissos obrigatórios pelos países desenvolvidos e voluntariamente pelos países em desenvolvimento será a postura brasileira no encontro. As informações são da Agência Brasil.

Mais conteúdo sobre:
COPENHAGUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.