Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Exército pode ajudar a combater desmatamento, diz Jobim

No Acre, o ministro da Defesa diz que problemas da floresta brasileira dizem respeito apenas ao Brasil

Tânia Monteiro, Agência Estado

16 de outubro de 2007 | 15h08

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou que o Exército poderá colaborar no combate ao desmatamento na Amazônia, caso os órgãos responsáveis pelo setor solicitem esse auxílio. Jobim disse que, por causa da divulgação da informação de que o desmatamento na região voltou a crescer, "certamente" aparecerão grupos e organizações questionando o trabalho do governo na Amazônia.    Desmatamento volta a crescer e faz governo rever plano para Amazônia   O ministro declarou, porém, que esse é um assunto que só diz respeito ao Brasil: "Qualquer motivação é elemento para esse tipo de discurso (dos grupos ambientalistas).  Nós precisamos desprezar esse tipo de discurso e estamos trabalhando nesse sentido. Volto a repetir que a Amazônia é um assunto nosso. Somos responsáveis por isso. Não destruímos nenhuma mata além das que já foram destruídas pelos próprios europeus e americanos."   Jobim acrescentou que o relatório divulgado aponta, "na perspectiva macro", para uma "redução do desmatamento", mas que está sendo constatado, ao mesmo tempo, que, "comparando o mesmo período do ano passado para este ano, tivemos aumento foi nesse período."   Segundo o ministro da Defesa, as Forças Armadas, os pelotões de fronteira e os batalhões de infantaria de selva estão dispostos a prestar toda assessoria ao Ministério do Meio Ambiente em um trabalho conjunto para reduzir e manter o grau de redução do desmatamento.   "Isso depende de solicitação, porque o Exército não tem, diretamente, competência para isso. Nós estamos absolutamente dispostos a prestar todo o apoio necessário para otimizar os trabalhos dessas equipes. Podemos dar toda a logística e toda a estrutura de apoio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.