Exército e Polícia Rodoviária atuarão contra o desmatamento

Eles foram incluidos Governo Federal na terceira fase da Operação Arco de Fogo na Amazônia

Vannildo Mendes, Agência Estado

06 Junho 2008 | 18h47

O governo federal incluirá o Exército e a Polícia Rodoviária Federal na terceira fase da Operação Arco de Fogo, que começa este mês e se estenderá até setembro, período mais propício ao desmatamento ilegal da Amazônia, em razão do fim da estação das chuvas. O reforço da operação, desencadeada desde março, foi acertado pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, com o diretor-geral da Polícia Federal, delegado Luiz Fernando Corrêa. "Vamos radicalizar para alcançar melhores resultados", disse o ministro em entrevista, ao final da reunião.   Veja Também:  Minc define medidas para aprofundar Operação Arco de Fogo  Incra cancela títulos de terra de empresário sueco na Amazônia  É quase impossível impor regras na Amazônia, diz 'Economist'  Ações diárias que salvam o planeta   Acompanhe a trajetória do desmatamento na Amazônia; abril teve mais desmate  Leia a edição online da Revista da Amazônia   Fórum: é possível salvar a floresta amazônica?    O Exército dará apoio logístico no deslocamento de equipes, na apreensão e transporte de madeira apreendida. A Polícia Rodoviária ajudará no bloqueio terrestre dos entroncamentos e no controle das principais vias de circulação de madeira extraída ilegalmente da floresta. O cerco começa imediatamente e envolverá ações de repressão ao transporte de madeira ilegal por terra e rios. As ações terão suporte de helicópteros e aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) no monitoramento aéreo.   Na próxima quarta-feira, 11, Minc definirá com os ministro da Justiça, Tarso Genro e da Defesa, Nelson Jobim, os detalhes e a logística da participação da PRF e do Exército nas ações, incluído aí o efetivo a ser empregado, caminhões, viaturas e equipamentos próprios para emprego em região de selva, além dos recursos necessários. A PF, que já tem 300 homens atuando em caráter permanente na operação, deverá deslocar entre 500 e 700 mais, incluindo peritos para reforçar a produção de provas contra criminosos ambientais.   Até agora, a PF prendeu mais de 170 pessoas em quatro operações realizadas desde fevereiro, incluindo a Arco de Fogo, de repressão a crimes ambientais e corrupção em órgãos públicos - estaduais e federais - que deveriam proteger a floresta mas acabam favorecendo as quadrilhas. "Vamos intensificar as prisões, mas com a preocupação de produzir provas robustas e inquestionáveis", disse o delegado Corrêa.   Minc disse que, nessa fase, o governo vai propor em prática com rigor o decreto 6321, editado pelo presidente Lula no início do ano, que suspende a venda de produtos, como gado, soja e madeira, obtidos em áreas desmatadas ou ocupadas irregularmente. O decreto também permite cancelamento de registro de produtores e agrega as várias instância fiscais e repressivas do estado no combate às quadrilhas. "Não vai haver colher de chá para criminosos ambientais", avisou o ministro.   No próximo dia 17, será assinado um pacto chamado de moratória da soja com os representantes industriais do setor. O pacto prevê compromisso de a indústria de óleo não usar matéria prima procedente de áreas desmatadas ilegalmente na Amazônia. Minc quer que o mesmo acordo seja estendido ao setor frigorífico.   Com isso, além do plano de repressão à criação clandestina de gado, apelidado de operação "boi pirata", que prevê até o confisco de animais, o governo quer também compromisso da matadouros, frigoríficos e indústria de processamento de carne, para que não se compre nem se abata animais procedentes de fazendas irregulares.   "Vamos separar os estabelecimentos legais dos ilegais, que serão fechados e tratados com todo o peso da lei. Não se deve comprar soja nem gado de quem desmata ilegalmente", avisou Minc. Ele quer também intensificar a cooperação dos estados da Amazônia no programa global de combate ao desmatamento, a exemplo da parceria firmada com o governo do Pará.   O acordo permitirá, como ocorreu no Pará, que os produtos apreendidos sejam leiloados e parte dos recursos seja usada no financiamento dos elevados custos das operações, como a Arco de Fogo. "Essa conta tem que ser paga por quem comete o crime ambiental" defendeu.   Em quatro operações, desde fevereiro, a PF embargou 359 áreas ocupadas ilegalmente na Amazônia, com 63 mil hectares. Até agora, foram aplicadas multas no valor de R$ 361 milhões. Foram apreendidos nessas ações 79,3 mil metros cúbicos de madeira em tora, além de 26,7 mil metros cúbicos de madeira em serrarias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.