Steffi Loos/Reuters
Steffi Loos/Reuters

Ex-presidente do IPCC é destituído de escritório por denúncia de assédio

Cientista indiano Rajendra Pachauri foi afastado da direção do Instituto de Energia e Recursos, que liderava há mais de 30 anos

O Estado de S. Paulo

23 Julho 2015 | 17h50

NOVA DÉLHI - O cientista indiano Rajendra Pachauri, que deixou o Painel Intergovernamental da ONU para Mudanças Climáticas (IPCC) mais cedo neste ano por conta de denúncias de assédio sexual, foi destituído nesta quinta-feira, 23, da direção na Índia do Instituto de Energia e Recursos (TERI), que liderava há mais de 30 anos.

A decisão ocorre um dia depois de Pachauria voltar a assumir a direção-geral do TERI. Em vez de renunciar da direção do grupo em fevereiro, quando surgiram as denúncias, Pachauri resolveu tirar uma licença enquanto a polícia investigava o caso. Ele recentemente ganhou na Justiça o direito de a retornar à organização, gerando controvérsias.

O cientista de 74 anos será substituído por Ajay Mathur, diretor do Bureau de Energia Eficiente do governo indiano. Pachauri presidiu do IPCC por 13 anos, período durante o qual venceu o Prêmio Nobel da Paz em nome do IPCC.

A funcionária do TERI que o acusa de assédio sexual lamentou que Pachauri fosse recebido com "guirlandas e flores" na sua volta ao escritório enquanto ela está "afastada do trabalho", segundo declarações a um canal de televisão indiano.

Mais conteúdo sobre:
Rajendra Pachauri IPCC assédio sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.