Europa e China desejam sucesso a lei de Obama sobre CO2

Mas os chineses dizem que os cortes previstos ainda são poucos e que o mundo espera mais dos EUA

AP e Reuters,

26 Junho 2009 | 15h22

A União Europeia espera que a lei defendida pelo presidente dos EUA, Barack Obama, criando limites para a emissão de gases causadores do efeito estufa na economia americana, seja bem-sucedida. O projeto está em discussão na Câmara de Representantes do Congresso dos EUA e poderá ser votada ainda nesta sexta-feira.

 

Veja também:

link Ásia poderá emitir 40% do CO2 do planeta até 2030

linkUE quer financiamento mundial contra mudança climática

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Segundo o presidenta de Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, a Europa observa atentamente os legisladores dos Estados Unidos na discussão do projeto, que se aprovado criará um regime de limites e comércio de emissões de gases causadores do efeito estufa.

 

As emissões de gases do efeito estufa dos EUA vêm aumentando à taxa de 1% ao ano, e devem continuar a subir, a menos que haja a imposição de limites.

 

Um sistema similar de limitações e comércio - pelo qual indústrias recebem autorização para produzir uma determinada quantidade de poluição, e podem negociar essas permissões entre si - funciona na Europa desde 2005, mas teve pouco efeito sobre as emissões, por conta das autorizações generosas lançadas pelos governos.

 

Já a principal autoridade chinesa para a mudança climática, Xie Zhenhua, chefe adjunto da Comissão nacional de Desenvolvimento e Reformas, elogiou a lei que está em votação nos EUA, mas disse que medidas mais fortes são necessárias, e que a proposta do presidente Obama ainda está aquém das expectativas internacionais de comprometimento dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.