Europa cobra dos EUA ajuda financeira contra efeito estufa

O bloco de 27 nações quer pôr pressão em outros grandes poluidores, como Estados Unidos e China

Associated Press,

02 Outubro 2009 | 13h48

A União Europeia pediu que os Estados Unidos se unam ao esforço para financiar a adaptação dos países pobres à mudança climática.

 

Veja também:

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

O ministro das Finanças da Suécia, Anders Borg, cujo país atualmente detém a presidência da UE, disse que a Europa espera que os Estados Unidos "também ponham seu peso na questão" às vésperas das conversações internacionais sobre o acordo que sucederá o Protocolo de Kyoto, marcadas para Copenhague em dezembro.

 

"Precisamos aquecer o debate do clima", disse ele, após conversações entre os países da UE realizadas em Goteborg.

 

"A Europa não tem como resolver isso sozinha", disse ele. "Precisamos de uma ação mais forte dos EUA na questão da mudança climática, se pretendemos avançar. Estamos fazendo o que podemos para convencê-los a serem mais atuantes".

 

O bloco de 27 nações quer pôr pressão em outros grandes poluidores, como Estados Unidos e China, para que ou assumam compromissos de corte de emissões ou prometam financiar cortes em países pobres.

 

O financiamento ajudaria os países em desenvolvimento a cortar suas emissões, pagando pela aplicação de tecnologias limpas. Também ajudaria na adaptação das populações vulneráveis aos efeitos negativos da mudança climática, como desertificação e aumento de epidemias.

 

 Borg disse que os países europeus cobrarão mais recursos na reunião de 7-8 de novembro dos ministros das Finanças dos países do G20, que reúne países ricos e em desenvolvimento.

 

A UE pretende determinar o valor exato de sua contribuição no fim de outubro, disse ele. Lideranças da União sugeriram que o bloco deveria comprometer 15 bilhões de euros (US$ 22 bilhões) ao ano.

Mais conteúdo sobre:
efeito estufa aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.