EUA querem menor velocidade de navios para proteger baleias

Colisões com navios ameaçam as baleias francas que migram na costa atlântica do país

AP

25 Agosto 2008 | 19h42

O governo dos Estados Unidos recomendou nesta segunda-feira, 25, um limite de velocidade para navios comerciais na costa atlântica onde colisões com baleias francas ameaça a sobrevivência da espécie em extinção.  De 300 a 400 baleias dessa espécie existem fora do cativeiro, e elas migram anualmente entre o sudeste do Atlântico, seu local de reprodução, para áreas próximas à costa, cheia de navios, de Massachusetts, onde se alimentam.  O chefe da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) disse nesta segunda-feira, 25, que o novo limite, o primeiro a ser instituído na costa oeste por causa de uma criatura marinha, é necessário para assegurar sua sobrevivência. A regra determinaria um limite de 10 nós entre 37 quilômetros de portos atlânticos e nas proximidades das regiões de reprodução e alimentação das baleias. A nova regulação expirará em cinco anos, se não for renovada.  "O ponto importante é que animais em grande perigo precisam de nossa ajuda", disse o almirante Conrad C. Lautenbacher, administrador da agência.  Mas a última versão das regulações para navios são diferentes dos rascunhos divulgados há mais de um ano e adiados devido a questionamentos do gabinete do vice-presidente Dick Cheney, a respeito da exatidão científica dos números.  A opção escolhida nesta segunda-feira, 25, e divulgada com uma análise de 850 páginas sobre seus impactos ambientais e econômicos, atinge uma área menor que os 55 quilômetros de zona costeira para o limite de velocidade inicialmente proposta.  Ambientalistas disseram que as mudanças foram a última das atitudes de uma administração que constantemente ignora a ciência. "O que temos visto sempre é que, se interesses econômicos e políticos se chocam com a ciência, a ciência perde", disse Francesca Grifo, diretora do Union of Concerned Scientist's Scientific Integrity Project.

Mais conteúdo sobre:
meio ambienteEUAbaleias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.