Christian Charisius/Reuters - 17/12/2009
Christian Charisius/Reuters - 17/12/2009

EUA propõem US$100 bi/ano de países ricos para fundo 'verde'

Proposta é apresentada em momento de impasse na cúpula da ONU; Obama procurou Lula para discutir acordo

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

17 Dezembro 2009 | 09h34

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, propôs nesta quinta-feira, 17, que os países industrializados levantem US$ 100 bilhões por ano para um fundo destinado a ajudar os países pobres a combaterem os efeitos do aquecimento global.

 

Veja também:

linkApoio dos EUA a fundo de US$ 100 bi dá impulso à COP 15

linkPotências reagem com cautela a proposta dos EUA na COP-15

linkDinamarca descarta lançar proposta de acordo nesta 5ª 

linkMerkel faz pedido dramático por acordo na COP

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial O mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especial Entenda as negociações do novo acordo  

 

A proposta de Hillary vem à tona em um momento no qual negociadores de mais de 190 países promovem os últimos esforços em busca de um acordo durante a conferência climática promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) na capital dinamarquesa.

 

Horas depois de chegar a Copenhague, Hillary disse que o plano envolveria dinheiro público e provado. A quantia sugerida por Hillary está bem acima do inicialmente proposto pelos países ricos.

 

A chanceler americana ressalvou, no entanto, que os EUA participarão desse fundo somente se todas as grandes economias do mundo se ativerem a uma série de condições, entre elas a redução transparente e verificável das emissões de gás carbônica.

 

"Se não houver compromisso de transparência em alguma escala, não haverá acordo", declarou Hillary a jornalistas. "Cem bilhões de dólares é muito dinheiro. Isso pode proporcionar efeitos tangíveis", afirmou.

 

Mais cedo, um delegado dinamarquês declarou que as negociações de um novo acordo climático global em Copenhague estão emperradas e as chances de um acordo são pequenas, mas ainda há esperança de que um pacto seja alcançado.

 

Obama procura Lula para buscar acordo

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, falou nesta quarta-feira por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como parte de seus esforços para impulsionar um resultado positivo da cúpula sobre mudança climática.

 

"O presidente Obama destacou ao presidente Lula a importância de os dois países continuarem trabalhando para conseguir um acordo concreto que signifique um verdadeiro progresso e determinar uma ação global para enfrentar a ameaça da mudança climática", destacou a Casa Branca.

 

Obama também ressaltou o papel-chave do Brasil, e explicou tanto as medidas tomadas pelos EUA como seu compromisso para um acordo em Copenhague, em respeito à redução das emissões, o financiamento e um regime de cumprimento transparente e internacionalmente observável, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.