EUA prometem US$ 1 bi para conter desmatamento

O dinheiro seria usado entre 2010 e 2012 para financiar projetos de REDD

Richard Cowan, Reuters

16 Dezembro 2009 | 19h28

Os Estados Unidos prometeram US$ 1 bilhão como parte de um esquema de US$ 3,5 bilhões de dólares de financiamento inicial para a redução do desmatamento, um dos fatores que mais contribuem para o as mudanças climáticas. A declaração do governo americano foi dada nesta quarta-feira.

 

Austrália, França, Japão, Noruega e Grã-Bretanha também fazem parte do plano de proteção florestal anunciado na conferência climática da ONU, na Dinamarca, onde os líderes mundiais estão tentando selar os contornos de um pacto para evitar o aquecimento global.

 

O dinheiro seria usado entre 2010 e 2012 para financiar projetos de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD), que teve amplo apoio dos países ricos e pobres nas negociações na capital dinamarquesa e foi uma exigência chave das nações em desenvolvimento.

 

"Proteger as florestas do mundo não é um luxo. É uma necessidade ", disse o secretário de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack. "Este compromisso substancial é reflexo do nosso reconhecimento de que o financiamento público internacional deve desempenhar um papel nos esforços dos países em desenvolvimento para desacelerar, deter e reverter o desmatamento ", disse ele.

 

O desmatamento é responsável por quase um quinto das emissões de gases de efeito estufa. A redução da perda de florestas é considerada uma maneira de frear o ritmo do aquecimento global. Florestas como a Amazônia ou vastas florestas de turfa da ilha de Bornéu, no Sudeste Asiático, absorvem e retêm grande quantidade de dióxido de carbono um dos gases responsáveis pelo aquecimento global.

 

A REDD visa colocar um preço no carbono que as florestas retêm (e que é liberado quando a mata é devastada), proporcionando uma recompensa financeira para mantê-la em pé.

 

"Este é um passo muito positivo e encorajador", dizze o primeiro-ministro norueguês, Jens Stoltenberg, a Reuters. "Pode ajudar criar um clima favorável àsnegociações em Copenhague ", disse ele. As negociações tropeçaram nas metas de emissões por ricos e nações em desenvolvimento e no financiamento para as nações pobres.

 

"Se conseguirmos deter o desmatamento, vamos ter evitado um terço de todas as emissões que temos necessidade de cortar até 2020 ", Stoltenberg disse. A Noruega diz que tem dado mais dinheiro para projetos de diminuição de desmatamento do que qualquer outra nação desenvolvida.

 

"Essas atitudes contribuem para quebrar o impasse da REDD nas negociações aqui em Copenhague, e conseguir o financiamento adicional necessário para enfrentar o desafio global do desmatamento ", disse Andrew Deutz, diretor de Política Internacional Climática da ong The Nature Conservancy (TNC).  "Esta promessa de US $ 1 bilhão dos Estados Unidos deve ser um aperitivo. Eles também devem servir o prato principal, para um posterior fundo de adaptação e mitigação".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.