EUA preparam teste de eucalipto transgênico para produção de papel

A empresa, ArborGen, alterou geneticamente as árvores para suportar temperaturas muito baixas

Associated Press

07 Junho 2010 | 18h04

A indústria de papel dos Estados Unidos planeja plantar florestas de eucaliptos geneticamente modificados em sete Estados do sul do país. O projeto atraiu queixas de críticos preocupados com a introdução de um número tão grande de plantas modificadas de uma espécie exótica para a região.

ArborGen, uma empresa de biotecnologia afiliada a três grandes empresas de papel, obteve autorização do Departamento de Agricultura para testes de campo com um máximo de 250.000 árvores a serem plantadas 29 locais, ao longo dos próximos anos. Áreas menores do mesmo tipo de árvores existem em alguns Estados há anos.

 

O eucalipto australiano cresce mais depressa que as madeiras nativas e produz uma polpa de alta qualidade para a produção de papel mas, até agora, tem conseguido prosperar apenas em climas mais quentes.

 

A empresa, baseada na Carolina do Sul, alterou geneticamente as árvores para suportar temperaturas muito baixas, e a ideia com as florestas de teste é ver até que ponto ao norte é possível plantá-las.

 

O experimento da ArborGen marca a primeira plantação de árvores transgênicas em larga escala nos Estados Unidos. A empresa diz que plantações de eucaliptos grossos e de crescimento rápido poderiam produzir mais madeira numa área menor, permitindo a conservação de florestas nativas.

 

Mas críticos dizem que os efeitos das árvores transgênicas no ambiente ao redor ainda é desconhecido. "Temos muitas reservas quanto a isso", disse Neil J. Carman, biólogo. "Não  achamos que a evidência científica  exista para dizer que se trata de uma boa ideia".

 

Anne Petermann, diretora-executiva do grupo ativista Global Justice Ecology Project, disse que os eucaliptos são invasivos, requerem muita água e aumentam o risco de incêndios. "É uma árvore perigosa para se plantar em massa".

Mais conteúdo sobre:
transgênicoeucalipto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.