Anja Niedringhaus/AP - 07/12/2009
Anja Niedringhaus/AP - 07/12/2009

EUA oferecerão 'parte justa' para combater mudança climática

Países projetam na cúpula da ONU criar um fundo de US$ 10 milhões anuais para minimizar efeitos das emissões

Efe,

07 Dezembro 2009 | 16h34

Os Estados Unidos oferecerão "a parte justa" dos US$ 10 bilhões anuais calculados como mínimo para minimizar as consequências das emissões de dióxido de carbono (CO2) nos países em desenvolvimento. Assim afirmou nesta segunda-feira, 7, em Copenhague, o subdelegado da missão americana na cúpula da ONU, Jonathan Pershing, em entrevista coletiva no primeiro dia da cúpula da ONU sobre mudança climática (COP15), que acontecerá até 18 de dezembro.

 

Esta quantia foi considerada por diferentes organismos às vésperas da conferência e qualificada de realista pelas partes em negociação, mas várias organizações ambientalistas consideram insuficiente e afirmam que seriam necessários mais de US$ 100 bilhões.

 

O ministro do Meio Ambiente sueco, Andreas Carlgren, cujo país ocupa este semestre a Presidência rotativa da União Europeia (UE), disse que o bloco europeu quer reduzir suas emissões em 30%, mas acrescentou que as propostas da China e dos Estados Unidos "ainda não são suficientes".

 

Veja também:

linkDinamarca diz que acordo climático está 'ao alcance das mãos'

linkGases-estufa representam perigo à saúde, alertam os EUA

blog A Antártida que vai a Copenhague

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono

 

A UE, representada pela Presidência rotativa sueca em Copenhague, propõe diminuir suas emissões em 20% em 2020, taxa que poderia aumentar para 30% se outros países realizarem esforços semelhantes.

 

Carlgren disse que o sucesso de Copenhague dependerá dos compromissos dos EUA e da China, e afirmou também que seria "surpreendente" que o presidente americano, Barack Obama, fosse à cúpula na próxima semana apenas para repetir os propósitos que a Casa Branca já comunicou há dias.

 

Washington ofereceu uma redução de suas emissões de 17% em 2020 em comparação ao nível de 2005. No entanto, tomando como referência de 1990, como fazem a UE e outros países industrializados, a proposta dos EUA representa um corte de apenas 4%.

 

Carlgren descartou que a UE anunciem esta semana uma redução de suas emissões de 30%, pois seu objetivo é "manter a pressão ao máximo" sobre as outras partes "até o último minuto de partida".

 

A chefe da delegação técnica espanhola e diretora geral do Escritório de Mudança Climática, Alicia Montalvo, disse à Agência Efe que a "prudência" das medidas propostas por Washington e Pequim é porque as duas potências "só olham uma para a outra". "É preciso quebrar essa barreira e que o círculo vicioso se transforme em um círculo virtuoso", afirmou Montalvo. Pequim propôs uma redução de entre 40% e 45% da intensidade energética (emissão de CO2 por unidade de PIB) em 2020 em comparação aos níveis de 2005.

 

A representante espanhola considerou que, após esses dois países "apostarem de forma decisiva" na luta contra a mudança climática e nas energias renováveis, "liderarão a mudança tecnológica".

Mais conteúdo sobre:
EUA Copenhague financiamento clima cupla

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.