EUA estabelecem maior área de conservação marinha do mundo

Proteção inclui as Fossas marianas, que são o ponto mais profundo do oceano. Ambientalistas queriam mais

Associated Press,

06 Janeiro 2009 | 14h35

Partes de três arquipélagos desabitados do Oceano Pacífico estão sendo reservadas pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, como monumentos nacionais, protegidos contra a exploração de petróleo, gás e a pesca comercial. Trata-se do maior esforço de preservação ambiental nos oceanos em toda a história.   Há 20 mil anos, oceano ficava a 100 km da Serra do Mar 200 mil km² do fundo do mar estão mortos, diz WWF   As três áreas, que totalizam 505.760 quilômetros quadrados, incluem as Fossas Marianas e águas e corais ao redor de três ilhas desabitadas nas Ilhas Marianas do Norte, Atol Rosa e Samoa Americana, e sete ilhas encadeadas ao longo do equador no Pacífico.   Cada local abriga espécies únicas e algumas das formações geológicas mais raras da Terra - do maior caranguejo terrestre do mundo a um pássaro que incuba os ovos no calor de vulcões submarinos. Em Pago Pago, na Samoa Americana, o governador territorial Togiola T.A. Tulafono disse que a designação do Atol Rosa como monumento nacional atrairá cientistas ao local. O atol abriga árvores gigantescas de 26 metros de altura e é uma zona vital de reprodução para tartarugas marinhas ameaçadas de extinção. Trata-se do menor atol do mundo, com apenas 8 hectares, ou 80 mil metros quadrados, de terra.   Pesca esportiva, turismo e pesquisas científicas continuam permitidos nos novos monumentos, e a proteção não conflitará com atividades militares ou com a livre navegação nos mares, disseram fontes da Casa Branca.   Ambientalistas esperavam mais. As áreas protegidas estendem-se até 50 milhas náuticas (93 km) dos recifes de coral e atóis dos monumentos, e grupos de defesa do meio ambiente pediam 200 milhas (370 km). A pesca comercial ainda será permitida nas águas sobre as Fossas Marianas, o abismo marítimo mais profundo do mundo. O monumento só protegerá a borda das fossas e seu interior.  

Mais conteúdo sobre:
conservação atol coral bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.