Claus Bjoern Larsen/AP - 09/12/2009
Claus Bjoern Larsen/AP - 09/12/2009

EUA enfrentam China no COP-15 sobre emissões poluentes

Americanos rejeitam financiar o corte das emissões de gases-estufa dos chineses e criam impasse na cúpula

Efe,

10 Dezembro 2009 | 11h12

Os Estados Unidos iniciam um confronto particular contra a China na Cúpula das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas a respeito da redução das emissões de gases estufa e a fórmula de financiar a mitigação dos efeitos do fenômeno, causado, antes de tudo, pelos países ricos. Os dois países contribuem com 40% das emissões globais de dióxido de carbono (CO2).

 

A China quer dar uma nova dinâmica à conferência, quando o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, assistir às negociações junto com mais de 100 chefes de Estado e de Governo em Copenhague, na próxima semana, disseram nesta quinta-feira, 10, fontes oficiais em Pequim.

 

Mas o chefe da delegação americana, Todd Stern, que chegou nesta quarta-feira à capital dinamarquesa, já comentava que "o país cujas emissões estão subindo de maneira radical, realmente radical, é China, que agora é o que mais polui o mundo". Stern previu que a meta mundial de redução das emissões não será alcançada se a China não se tornar um agente principal nessas medidas.

 

Veja também:

linkBrasil não aceita compromisso obrigatório para cortar emissões

linkMedvedev confirma presença na conferência climática da ONU

linkImpasse em acordo do clima divide países ricos

blog 'Dinamarca quer sucesso a qualquer preço', diz G77

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono 

 

Os EUA rejeitaram, além disso, dar um centavo de seus contribuintes para financiar o corte das emissões de gases estufa da China, um dos pontos mais complicados nas negociações de Copenhague.

 

Washington também descartou a possibilidade de assinar o Protocolo de Kyoto, o único mecanismo legal atualmente, que contou com a adesão de 37 países industrializados. O acordo vende em 2012 e deverá ser substituído pelo negociado agora em Copenhague. Pequim, ao contrário, insiste em que os EUA façam parte do protocolo, assinado em 1997.

 

Sobre isso, o secretário-executivo da conferência, Yvo de Boer, afirmou nesta quinta-feira, em entrevista coletiva, que o Protocolo de Kyoto sobreviverá por várias razões, entre elas porque foram necessários oito anos para colocá-lo em vigor e porque outro mecanismo levaria tempo demais, quando agora é necessário adotar medidas imediatas.

 

Os EUA rejeitaram, além disso, dar um centavo de seus contribuintes para financiar o corte das emissões de gases estufa da China, um dos pontos mais complicados nas negociações de Copenhague.

 

Sobre o andar das negociações, que começaram no dia 7, de Boer apontou que restam dois dias antes que os ministros cheguem a Copenhague para começar a fase preparatória para a reunião de mais de 100 chefes de Estado e de Governo, entre 16 e 18 de dezembro.

 

O funcionário da ONU explicou que há várias opções sobre a mesa a respeito do resultado final da maior cúpula sobre a mudança climática realizada até o momento.

 

Uma é que a cúpula termine com um documento vinculativo que obrigue os países poluentes a diminuir sua cota de emissões de CO2 - uma opção considerada pouco provável -, ou que sua elaboração seja adiada para meados de 2010 e as negociações de Copenhague resultem em uma declaração política.

Mais conteúdo sobre:
China EUA Copenhague cupula. clima COP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.