Thomas Peter/Reuters - 10/12/2009
Thomas Peter/Reuters - 10/12/2009

EUA endurecem postura nas negociações, diz Greenpeace

Organização ambiental critica governo americano por não mudar datas de referência para corte de emissões

Efe,

16 Dezembro 2009 | 10h20

Os Estados Unidos endureceram sua postura nas já difíceis negociações na cúpula da ONU sobre mudança climática (COP-15), realizada em Copenhague, ao se negar a mudar as datas de referência para a redução de gases do efeito estufa, segundo o grupo ambientalista Greenpeace.

 

Veja também:

linkPresidente da Cop-15 renuncia ao cargo

linkNegociações na cúpula ficam paralisadas  

linkBrasil aceita prestar contas por fundo 'verde'

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialCOP-15, acompanhe o que de mais importante aconteceu

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono    

 

O coordenador político para a América Latina da organização ambientalista, Gustavo Ampugnani, disse nesta quarta-feira, 16, à Agência Efe que Washington apresentou na madrugada passada um documento com uma cruz no lugar da data a partir da qual se deve partir para calcular as emissões de dióxido de carbono (CO2).

 

Antes de ir a Copenhague, Washington tinha oferecido reduzir suas emissões de CO2 em 17% até 2020 em relação a 2005, o que, em termos reais, representa 4%, em comparação com os parâmetros usados pela União Europeia (UE) e por outros países industrializados, que partem de 1990.

 

Com esse ponto de partida dos EUA e diante do bloqueio atual das negociações na cúpula, a única solução é que os 119 chefes de Estado e de Governo que começaram a chegar à capital dinamarquesa assumam diretamente as negociações, disse Ampugnani.

 

Acrescentou que, se não houver um entendimento até o encerramento da cúpula, em 18 de dezembro, ficaria a única alternativa de "uma declaração política de mínimos", em vez da assinatura de um documento juridicamente vinculativo, como exigem muitos países e as organizações ambientalistas.

 

Segundo Ampugnani, deve ser selada uma proposta fixada definitivamente que inclua uma redução das emissões de 40% até 2020 diante dos valores de 1990, que seria o dobro do colocado sobre a mesa pela União Europeia (UE).

Mais conteúdo sobre:
EUA Copenhague COP Greenpeace

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.