Bood Marks/Efe - 04/12/2009
Bood Marks/Efe - 04/12/2009

EUA e China seguiram Brasil em meta para o clima, diz Lula

Presidente afirma que País está 'numa situação muito boa' porque, voluntariamente, apresentou uma proposta

AE, Agencia Estado

07 Dezembro 2009 | 09h10

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que, por causa da proposta do Brasil de diminuir as emissões de gases do efeito estufa entre 36,1% e 38,9% até 2020, os demais países começaram a apresentar números para a meta. Lula citou, especificamente, os Estados Unidos e a China. No programa semanal de rádio "Café com o Presidente" que foi ao ar nesta segunda-feira, 7, Lula afirmou ser preciso tomar uma decisão agora e começar a trabalhar para reduzir o aquecimento global. Começou nesta segunda-feira, em Copenhague, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), maior negociação sobre a questão climática da história. "Obviamente, esse é o tema do momento", disse.

De acordo com Lula, o Brasil está numa situação muito boa porque, de forma voluntária, fez uma proposta para reduzir as emissões de gases. "Essa é uma coisa extremamente importante, é uma proposta extremamente ousada", afirmou. "O Obama apresentou número. Os chineses apresentaram número. Nós achamos que, até chegar Copenhague, os países vão se colocar de acordo porque é preciso ter um número para diminuir as emissões."

 

Veja também:

linkConferência climática da ONU começa em Copenhague

linkCOP deve responder a desafio ambicioso, diz líder do encontro

linkFundo ambiental terá R$ 1 bi dos lucros do petróleo, diz Minc 

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo  

 

Lula defendeu ainda o financiamento para o "sequestro de carbono" e para que as nações pobres tenham um desenvolvimento sustentável e sólido. O presidente brasileiro mencionou a questão climática, afirmando que o tema esteve presente na viagem que fez à Europa, onde participou da Cúpula Ibero-Americana, em Portugal, e visitou também a Ucrânia e a Alemanha.

Mais conteúdo sobre:
ambiente aquecimento global Copenhague Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.