Bevil Knapp/Efe
Bevil Knapp/Efe

EUA dão 72 horas para BP apresentar plano para deter vazamento

Empresa deve mostrar planos sobre os processos de recolhimento de óleo e o calendário de aplicação

Efe

09 Junho 2010 | 18h24

WASHINGTON - O governo americano deu à British Petroleum um prazo de 72 horas para apresentar um plano detalhado com as medidas para acabar com o vazamento de petróleo no Golfo do México, informou nesta quarta-feira, 9, o Departamento de Segurança Nacional.

 

Veja também:

EUA investigam vazamento, e pressão sobre a BP cresce

BP aumenta capacidade de coleta de óleo no Golfo

 

 

O contra-almirante da Guarda Litorânea James Watson enviou na última terça uma carta ao diretor-geral de operações da BP nos Estados Unidos, Doug Suttles, com o ultimato.

 

"A BP deve apresentar os planos dos processos paralelos, contínuos e alternativos de recolhida, incluindo um calendário de aplicação no prazo de 72 horas depois do recebimento dessa carta", disse Watson, membro da equipe de coordenação dos trabalhos de contenção do derramamento.

 

O vazamento causado pela explosão e posterior afundamento de uma plataforma de petróleo operada pela companhia "deixou milhões de litros de petróleo no Golfo do México, pelos quais a BP é responsável", ressaltou.

 

Watson disse que, depois das fracassadas tentativas para tapar o poço, a empresa deve continuar com outros planos para cessar o fluxo de petróleo no mar.

 

Na semana passada, a companhia instalou uma espécie de funil de contenção sobre o poço com quatro aberturas para que o petróleo começasse a fluir por um duto para um navio na superfície, que, segundo as autoridades americanas, está ajudando a limitar o vazamento.

 

"Agora que o funil de contenção começou a capturar e recuperar um pouco do petróleo, é necessário instalar equipamentos e sistemas para assegurar que o óleo e o gás que fluem possam ser recuperados e levados para um lugar seguro", disse.

 

O contra-almirante enfatizou que o petróleo tem de ser depositado sem que o meio ambiente seja afetado, levando em conta fatores meteorológicos, devido ao início da temporada de furacões no Oceano Atlântico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.