EUA aceitam financiar fundo para países pobres

Apesar disso, governo americano não quer pagar ‘reparação’ da poluição

REUTERS

09 Dezembro 2009 | 12h52

O governo americano afirmou nesta quarta-feira que vai contribuir para um fundo destinado a ajudar países pobres a lidarem com os efeitos da mudança climática, mas não vê necessidade de pagar “reparações” pela poluição que o país produziu ao longo da história. “Nós reconhecemos integralmente nosso papel histórico no lançamento de emissões na atmosfera, mas rejeito categoricamente a noção de culpabilidade ou reparações”, disse Todd Stern, principal negociador dos Estados Unidos em Copenhague.

 

Veja também:

link EUA prometem usar 'bom senso' para controlar emissões de CO2

linkSecretário da ONU defende emergentes em Copenhague

linkAs promessas e pressões que dominaram o 1º dia da COP 

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Além disso, Grã-Bretanha, Austrália, México e Noruega irão apresentar na quarta-feira na conferência da ONU em Copenhague uma proposta para arrecadar e gerir bilhões de dólares a serem usados para ajudar os países pobres a se adaptarem e combaterem a mudança climática até 2020.   

Hanne Bjurstroem, chefe da delegação norueguesa, disse que a proposta abrangerá "não a quantia, mas como vemos a estrutura do financiamento em um novo acordo".

 

O México no passado sugeria que todos os países contribuíssem com o fundo. A Noruega propunha leilões de quotas de carbono para arrecadar o dinheiro a ser usado pelos países pobres.

 

A ONU estima que a luta contra o aquecimento global possa exigir em longo prazo até 300 bilhões de dólares por ano.

 

Discordâncias sobre como arrecadar esse montante e sobre os cortes nas emissões dos gases do efeito estufa pelos países ricos são os principais entraves à adoção de um novo tratado climático global no evento de Copenhague, que vai até o dia 18.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.