Justin E. Stumberg/AP
Justin E. Stumberg/AP

Estudo relaciona derramamento de óleo no Golfo do México e poluição do ar

SÃO PAULO - O derramamento de óleo da petrolífera britânica British Petroleum (BP), que despejou 4 milhões de barris no Golfo do México no ano passado, não prejudicou apenas a fauna, flora e o oceano, como também comprometeu o ar. O estudo da poluição gerada a partir do acidente deu dicas de como este tipo de contaminação chega até a atmosfera.

estadão.com.br com AP,

11 de março de 2011 | 20h15

A tragédia, iniciada em 20 de abril de 2010, matou 11 pessoas e criou uma nuvem de ar poluída que foi levada pelos ventos, informaram os pesquisadores à revista Science.

Os materiais químicos mais leves evaporaram em questão de horas, assim como o esperado. O que não era esperado era que os componentes mais pesados - aqueles com mais átomos de carbono por molécula - além de demorarem mais para evaporar, se espalharam mais e contribuíram para a formação de partículas causadoras da poluição. "Nós achávamos que eles não eram abundantes o suficiente para causar mal", disse Joost de Gouw, coautor do estudo e cientista da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos.

Veja também:

linkBP faz acordo para comprar 83% de produtora de etanol

mais imagens Galeria de fotos do vazamento de óleo no Golfo do México

Para avaliar a poluição acima do Golfo do México foi enviado um avião "caça furacão" equipado para monitorar a qualidade do ar enquanto o óleo ainda estava vazando. O avião estava cheio de instrumentos desenvolvidos para avaliar diferentes tipos de partículas da poluição do ar, incluindo o aerossol orgânico. Os aerossóis orgânicos já foram relacionados a doenças como asma, doenças cardiovasculares e até mesmo morte prematura de bebês.

No entanto, o avião não mediu os componentes mais pesados, que contribuem mais para a poluição do ar, porque o equipamento utilizado se atenta para as substâncias já conhecidas por contribuir com o empobrecimento da qualidade do ar, que são as substâncias mais leves, conhecidos por serem materiais mais voláteis.

Por meio de simulações em computador, os pesquisadores chegaram a conclusão que os compostos mais pesados eram os maiores culpados pela poluição. Para se ter uma ideia, eles encontraram a mesma quantidade de aerossóis orgânicos de áreas urbanas dos EUA no local do acidente. "Este estudo nos ajudará a entender e prever melhor as condições do ar", disse Gouw.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.