NELSON ANTOINE
NELSON ANTOINE

Estudo mapeia o bioma e o que existe no ar que respiramos

Pesquisa feita por cientistas da UFRJ e da Universidade de Nanyang mostra que o ar tem mais de mil espécies de micróbios diferentes; levantamento pode ajudar a estimar efeitos do aquecimento global

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2019 | 10h00

RIO DE JANEIRO - O que existe no ar que respiramos? A verdade é que há até bem pouco tempo, ninguém sabia. Embora os microorganismos presentes no solo e nos oceanos estejam bem mapeados, o bioma do ar nunca tinha sido estudado em larga escala. Agora, pela primeira vez, cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, conseguiram fazer esse levantamento. E a resposta é meio assustadora: são mais de mil espécies de micróbios diferentes, muitas delas totalmente desconhecidas.

Segundo os pesquisadores, esse detalhamento inédito pode ajudar a criar ambientes com determinadas características, como o de hospitais por exemplo. Conhecendo os microorganismos presentes no ar também será possível estimar os efeitos do aquecimento global sobre esse bioma. O trabalho foi publicado no mês passado na Proceedings of the National Academy of Sciences  (PNAS).

“A gente se preocupa muito com a água que bebe e muito pouco com o ar que respira”, afirmou Ana Carolina Junqueira, professora do Departamento de Genética do Instituto de Biologia da UFRJ, uma das autoras do estudo.

Estudar o ecossistema do ar sempre foi um desafio para os cientistas por conta das baixas quantidades de material genético - o que dificulta a aquisição de DNA em quantidades suficientes para serem testadas. Por isso, o microbioma da atmosfera era o menos estudado em escala global, sobretudo quando comparado à hidrosfera e à litosfera.

O mapeamento foi possível agora por conta da descoberta de um novo método de coleta do ar e análise genética em amostras mínimas, até 50 vezes menores que um fio de cabelo. Os poucos estudos disponíveis até hoje tinham sido feitos em países de clima temperado. O novo levantamento foi realizado em Singapura, um país de clima tropical como o Brasil.

 Os pesquisadores concluíram que existem mais de mil espécies de micróbios no ar e, ainda, que essa diversidade responde a padrões específicos nos trópicos: o ar diurno é dominado por bactérias, enquanto o noturno é predominantemente constituído por fungos.

“Grande parte da população é alérgica”, lembra Ana Carolina. “Com essas informações, podemos determinar padrões de incidência de alergias em diferentes regiões, por exemplo. Também podemos orientar para que deixem a janela aberta à noite ou de dia, dependendo da alergia. Usar filtros de ar para não permitir a proliferação de determinados fungos.”

 O novo estudo revela que o ar tropical apresenta uma complexidade microbiana semelhante à dos oceanos, solos e trato gastrointestinal humano - para citar os três microbiomas mais bem estudados até hoje. Fatores ambientais como a temperatura, umidade, irradiação solar e níveis de dióxido influenciam a composição e abundância das comunidades microbianas.

Por isso, o trabalho também é importante para o entendimento de processos relacionados às mudanças climáticas globais e à qualidade do ar.

“Estes resultados indicam que subestimamos a diversidade de microrganismos presentes na atmosfera e que mudanças climáticas podem alterar a composição do microbioma do ar”, sustenta Ana Junqueira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.