Estudo avalia os efeitos dos besouros no clima

A vegetação atacada pelos insetos afeta, por sua vez, o clima dos arredores

AP,

24 Setembro 2008 | 17h56

Será que uma praga de besouros pode mudar o tempo? Essa é uma das questões que pesquisadores esperam responder em um programa de estudos de quatro anos nas florestas dos EUA, que começam a dar sinais de uma infestação por besouros de pinheiro, que estão matando um grande número de árvores.   A vegetação afeta o clima dos arredores ao absorver ou refletir a luz do sol e liberar substâncias químicas e umidade. Mudanças podem influenciar fenômenos como chuva, temperaturas e nevoeiros.   Cientistas do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas lançaram um esforço para estudar a interação entre a superfície e a atmosfera numa região que vai do sul do Wyoming ao norte do Novo México, usando aviões, instrumentos no solo e modelos de computador.   "Florestas ajudam a controlar a atmosfera, e há uma grande diferença entre os impactos de uma floresta viva e de uma morta", diz o cientista Alex Guenther, uma das principais figuras do projeto.   Minúsculas partículas emitidas pelas plantas podem formar o núcleo de gotas de chuva. Plantas também emitem substâncias que podem ajudar a formar neblina. Florestas vivas absorvem dióxido de carbono, já matas mortas liberam-no, potencialmente contribuindo para o aquecimento global.   Modelos preliminares de computador indicam que a matança provocada pelos besouros pode levar a uma elevação de temperatura de até 3º C. 

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global florestas besouros praga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.