Estudo alerta para emissão de fuligem por navios comerciais

Navios comerciais liberam cerca de 130 mil toneladas de fuligem por ano, ou 1,7% do total global

AP

09 Julho 2008 | 19h53

Grandes cargueiros liberam duas vezes mais fuligem que o estimado anteriormente, diz um novo estudo sobre emissões de gases.  E o que é pior, para as pessoas que vivem em cidades portuárias, os rebocadores são os maiores emissores entre todos os barcos.  Em termos gerais, navios comerciais liberam cerca de 130 mil toneladas de fuligem por ano, ou 1,7% do total global - a maior parte em locais próximos a costas superpovoadas, disseram os pesquisadores na edição de sexta-feira, 4, da revista Geophysical Research Letters.  As frotas globais de navios devem crescer cerca de 2% a 6% anualmente nos próximos anos, de acordo com a equipe de pesquisa liderada por Daniel Lack, da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). As pequenas partículas da fuligem absorvem a luz do Sol, disseram. As partículas criam névoa e afetam a formação de nuvens, mudando o balanço climático da região.  Além disso, os pesquisadores alertaram que se a frota de navios comerciais se expandir para as águas do Ártico, a fuligem vai se tornar um problema crescente também por lá. "As emissões de navios comerciais são uma das áreas menos estudadas da queima de combustíveis fósseis", disse Lack.  Estudos anteriores se concentraram em apenas alguns navios. Sua equipe examinou 96 deles ao longo da costa dos Estados Unidos, durante o verão de 2006.

Mais conteúdo sobre:
meio ambientepoluição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.