Divulgação
Divulgação

Estado de SP vai utilizar aeronaves hi-tech para monitoramento ambiental

Parceria entre PM Ambiental e iniciativa privada resultou na doação de dois aviões que processam imagens em alta definição

Gustavo Bonfiglioli,

09 de fevereiro de 2011 | 19h15

Duas aeronaves computadorizadas vão auxiliar a Polícia Militar Ambiental do Estado de São Paulo a monitorar infrações ao meio ambiente. Chamadas de VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados), as máquinas foram doadas à PM no início de fevereiro, mês em que já devem começar a funcionar. São capazes de sobrevoar cerca de 500 hectares por hora, com sensores de foto e vídeo em alta definição para processamento de imagens. A tecnologia inédita, que não precisa de piloto, otimiza a identificação de áreas desmatadas, atividades industriais irregulares em áreas de preservação permanente (APPs) leitos de rios, queimadas, pesca ilegal, entre outros.

 

“Os VANTs não são tripulados, operam em piloto automático. As rotas diárias são previamente determinadas por GPS e a polícia fica na estação de controle, para receber as condições da aeronave e monitorar seu trajeto”, explica Adriano Kancelkis diretor da AGX Tecnologia, empresa de tecnologia especializada em segurança e monitoramento aéreo que fez a doação. Segundo ele, o piloto automático faz com que não seja necessária uma formação específica em pilotagem para que os policiais operem os aparelhos. “Fica mais fácil. Mesmo assim, vamos oferecer treinamento para o controle da base pelos policiais.” VANTs também podem ser dirigidos, caso seja necessário, e atingem velocidade de 80 a 120 Km/h.

 

O capitão Luis Gustavo Biagioni, comandante da 4ª Companhia da Polícia Militar Ambiental de Ribeirão Preto, explica que a utilização das VANTs está em caráter experimental. “Queremos dar sustentação aos estudos de implementação da nova tecnologia em um futuro próximo, em todo o Estado de São Paulo.” Kancelkis também salienta o desafio de adaptar a tecnologia aos diferentes biomas de SP. “O monitoramento é diferente no interior ou na Serra do Mar, por exemplo. Precisamos pensar em metodologias aplicadas a cada tipo de região.”

 

A parceria entre a AGX e a PM Ambiental surgiu com o interesse de um dos oficiais em fazer um mestrado sobre aeronaves não tripuladas. O projeto de pesquisa, que resultou nas duas VANTs, foi financiado pelo Insituto Inova, ONG da qual a AGX é parceira. Cada aeronave custa entre R$ 200 mil e R$ 300 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
Monitoramento AmbientalSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.