Estado australiano autoriza matar tubarões que ameaçarem banhistas

Medidas para proteger banhistas incluem chips que vão monitorar movimentação de animais.

BBC Brasil, BBC

27 Setembro 2012 | 08h21

Após uma onda de ataques de tubarões, o estado da Austrália Ocidental anunciou medidas para diminuir o risco de novos incidentes em praias públicas, incluindo matar animais que oferecerem ameaça aos banhistas.

Acredita-se que muitos dos ataques tenham sido feitos por tubarões-brancos, que são protegidos por uma lei federal na Austrália. Anteriormente, autoridades haviam autorizado que se matasse o animal apenas durante ou após um ataque. A diferença agora é que essa permissão seria dada quando houvesse risco iminente de um ataque.

O pacote apresentado pelo governo do estado, de pouco mais de R$ 14 milhões, também apresentou medidas como o uso de jet skis para os salva-vidas, programas de conscientização da comunidade e, até mesmo, implantar sensores de rastreamento por GPS nos tubarões que poderiam monitorá-los em tempo real.

Os novos recursos também vão aumentar a pesquisa sobre os tubarões. O governo chegou a cogitar o abate dos animais, mesmo os que não oferecessem perigo imediato, mas voltaram atrás após protestos de grupos ambientalistas.

"Estas novas medidas vão não somente nos ajudar a entender o comportamento dos tubarões, mas também oferecer aos banhistas mais proteção e confiança durante este verão que se aproxima", declarou o governador do estado, Colin Barnett.

O anúncio veio depois que seis ataques, cinco deles fatais, foram registrados no estado neste ano, que fica localizado na costa oeste da Austrália.

O mais recente aconteceu no mês passado, quando um homem sofreu ferimentos no abdômen e no braço em um incidente a cerca de mil quilômetros da capital do estado, Perth. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.