Rafael Pacheco/Prefeitura de Pirapora do Bom Jesus/Divulgação
Rafael Pacheco/Prefeitura de Pirapora do Bom Jesus/Divulgação

Espumas cobrem Tietê e chegam a casas em Pirapora do Bom Jesus

Fenômeno causado pela concentração de poluentes nas águas mancha roupas, paredes e pintura de veículos e provoca mau cheiro

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

23 Junho 2015 | 12h34

Atualizada às 20h57

SOROCABA - Uma espessa camada de espuma cobria o Rio Tietê na manhã desta terça-feira, 23, em Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo. Levados pelo vento, flocos de espuma atingem as casas, mancham roupas, paredes e a pintura de veículos. O fenômeno, que vem se repetindo nos últimos dias, é causado pela concentração de poluentes nas águas do rio, segundo a prefeitura.

O mau cheiro provocado por uma espécie de gás liberado pela espuma incomoda os moradores e afugenta turistas.

A quantidade maior se forma na altura do centro, cerca de 1,5 quilômetro abaixo da barragem da Usina Hidrelétrica de Pirapora, no Tietê. Ao passar pelas comportas, as águas se agitam e o turbilhão resulta na formação de espumas.

"Convivemos com isso há mais de vinte anos e, desta vez, o fenômeno se acentuou porque o rio tem pouca água", disse o secretário de Meio Ambiente, Cláudio Vizeu.

Segundo Vizeu, o cheiro de enxofre do gás liberado pela espuma se espalha pela cidade e, além de incomodar os moradores, espanta os visitantes - a cidade de 15,7 mil habitantes é estância turística. O Santuário do Senhor Bom Jesus atrai 600 mil romeiros por ano.

O município, segundo o secretário, tem muito pouco a fazer, já que a poluição vem da capital e de outras cidades. "Continuamos cobrando do governo estadual a despoluição do Rio Tietê, mas tem sido uma luta inglória."

Causa. A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que a espuma é causada pela poluição ao longo do rio, principalmente pela presença de detergente não biodegradável. O lixo e o esgoto lançados no rio acabam chegando perto da barragem e esse detergente se transforma em espuma com a movimentação da água.

Em 1998, a Sabesp instalou bicos aspersores na barragem para reduzir a espuma. Um sistema de monitoramento avisa quando há concentração e os aspersores, chamados de “chuveirinhos”, são acionados. Segundo a prefeitura, eles são pouco eficientes. A Sabesp disse que pede à Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), que administra a hidrelétrica, para reduzir a vazão na barragem quando há muita espuma.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.