Lefteris Pitarakis/AP
Lefteris Pitarakis/AP

Especialista britânico defende corte maior de emissões de CO2

Economista espera que União Europeia comprometa-se com uma meta de redução de 30% até o ano 2020

Efe,

02 Dezembro 2009 | 12h38

Um importante especialista britânico na economia da mudança climática defendeu cortes mais ousados das emissões de CO2 do que os previstos, assim como um aumento dos recursos para os países em desenvolvimento se adaptarem.

 

Veja também:

linkMéxico pedirá a criação do 'Fundo Verde' em Copenhague

linkBrasil, China, Índia e África do Sul lançam proposta conjunta

linkSenado da Austrália rejeita projeto para reduzir emissões

especial O mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especial  Entenda as negociações do novo acordo

 

Autor de um relatório sobre o custo da mudança climática publicado em 2006, lorde Stern of Brentford disse que no ano 2015 o Reino Unido terá de contribuir com o equivalente a US$ 3 bilhões por ano para o fundo global de US$ 50 bilhões para ajudar os países pobres a se adequarem à mudança climática.

 

Em uma conferência na terça-feira na London School of Economics e da qual informa nesta quarta-feira, 2, o jornal The Times, lorde Stern fez um chamado à União Europeia a comprometer-se "incondicionalmente" com a redução até o ano 2020 às emissões de CO2 em 30% com relação aos níveis de 1990.

 

A União Europeia se comprometeu com um corte de 20% e cogita aumentar para 30% desde que haja compromisso semelhante de outros.

Mais conteúdo sobre:
lorde Stern corte de emissões CO2 carbono

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.