Espanha propõe 0,7% do PIB a tecnologia contra aquecimento

Verba iria para pesquisas de energias renováveis, projetos vinculados à água e sistemas de alarme de desastres

Efe,

22 Setembro 2009 | 17h56

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, propôs nesta terça-feira, 22, nas Nações Unidas que os países industrializados destinem 0,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB) à tecnologia e pesquisa para combater a mudança climática.

 

Veja também:

linkChina promete plantar florestas e usar energias renováveis

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

Zapatero, que participou da reunião de alto nível sobre mudança climática realizada na sede da ONU, fez uma chamada à comunidade internacional para compartilhar esses recursos e desenvolver de forma conjunta, e a um menor custo, tecnologias não intensivas em carbono.

 

O discurso de Zapatero na cúpula ocorreu a portas fechadas e foi a secretária de Estado para a Mudança Climática, Teresa Rivera, que explicou que esse 0,7% - porcentagem semelhante ao compromisso de ajuda ao desenvolvimento - se concentraria em desenvolver e pesquisar energias renováveis, projetos vinculados à água e sistemas de alarme antecipado sobre os efeitos da mudança climática.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.