Equador propõe que países ricos assumam a 'dívida ecológica'

Governo equatoriano diz que excesso de emissões deriva uma responsabilidade ambiental deve ser calculada

Efe,

27 Novembro 2009 | 09h51

O Governo do Equador propôs na Cúpula dos países que compartilham a bacia amazônica, realizada nesta quinta-feira, 26, em Manaus, que as nações ricas paguem uma "dívida ecológica" a aquelas que não contribuíram na poluição mundial.

 

Veja também:

linkBrasil e França pedem crédito de ricos contra aquecimento global

link'A gente fala menos e faz mais', diz Lula sobre meta do clima 

linkGreenpeace pede a Obama, Lula e Sarkozy acordo sobre clima

especial Rumo à economia do baixo carbono

especial Entenda as negociações do novo acordo 

 

Em comunicado emitido hoje em Quito, o chanceler equatoriano, Fander Falconí, que participou da reunião, disse que "é necessário ter presente que do excesso de emissões por habitante no planeta deriva uma responsabilidade ambiental histórica e atual que deve ser calculada e concretizada".

 

"É responsabilidade dos Governos tomar medidas e, para os Governos de países que historicamente não temos nenhuma ou pouca culpa, o que procede é reivindicar a dívida ecológica", enfatizou Falconi.

 

Disse também que "há vários estudos que mostram cálculos sérios da dívida climática" e apontou que as "emissões anuais per capita de dióxido de carbono, em países europeus, estão acima das 10 toneladas e nos EUA quase alcançam 20 toneladas".

 

Acrescentou que "a média mundial é de cerca de quatro toneladas (por habitante), mas muitos países pobres do mundo estão abaixo dessa média. A humanidade em conjunto tem que reduzir as emissões em 50% ou 60%, quanto antes melhor", segundo relatórios do Painel Internacional de Mudança Climática.

 

O chanceler equatoriano afirmou que seu país "vai inclusive além da mera exigência da dívida ecológica, consciente que queimar as reservas de carvão, petróleo e gás, ao ritmo atual, leva a um desastre climático".

Mais conteúdo sobre:
Equadorclimadividapaises ricos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.