Adema/Governo de Sergipe
Manchas de óleo apareceram no litoral de Sergipe, nos municípios de Pacatuba e Pirambu. Adema/Governo de Sergipe

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Investigações sigilosas identificaram óleo venezuelano; saiba o que fazer em caso de contato com a substância

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2019 | 05h00
Atualizado 07 de novembro de 2019 | 08h22

SÃO PAULO - Um vazamento de petróleo cru se espalha pelos nove Estados do Nordeste. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira. O governo federal afirma que análises já apontaram ser petróleo cru, de origem desconhecida e de tipo não produzido no Brasil. 

O petróleo já se espalhou por quais Estados do Nordeste?

As manchas já foram encontradas em todos os Estados nordestinos: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, AlagoasSergipe e Bahia. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira.

Que tipo de petróleo é esse que se espalha pelas praias brasileiras?

A análise feita pela Marinha e pela Petrobrás "apontou que a substância é petróleo cru, ou seja, não se origina de nenhum derivado de óleo".  Conforme o órgão, a substância se trata de hidrocarboneto, conhecido como piche, e é a mesma em todos os pontos analisados.

De onde veio esse petróleo?

A origem ainda é desconhecida e de tipo não produzido no Brasil. Investigações sigilosas realizadas pela Marinha e pela Petrobrás encontraram petróleo com a mesma "assinatura"do óleo da Venezuela em manchas que se espalham pelo mar na Região Nordeste. O presidente Jair Bolsonaro disse não descartar que tenha sido uma ação criminosa, mas ponderou que a apuração sobre o caso ainda está em curso. 

As investigações sobre a origem do petróleo se concentram, na fase atual, em 23 embarcações suspeitas.

A conclusão já foi comunicada ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente. Não é possível dizer que todo o vazamento que atinge as praias do Nordeste tenha a mesma origem, mas análises já realizadas em algumas manchas concluíram, com certeza, que se trata de material de origem venezuelana.

O Brasil usa petróleo venezuelano no Nordeste?

Estado questionou a Petrobrás sobre a possível presença de óleo da Venezuela nas instalações da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, estrutura que, em princípio, seria construída com a parceria da estatal venezuelana PDVSA. A Petrobrás informou que nunca processou óleo de origem venezuelana em Abreu e Lima, nem mantinha estoque de produtos daquele país em suas instalações.

Há risco de as manchas de óleo se espalharem por rios e afetarem o abastecimento da população?

Técnicos ambientais de Alagoas detectaram manchas de óleo na foz do Rio São Francisco, no município de Piaçabuçu, no litoral sul do Estado, em monitoramento de rotina. Já o governo de Sergipe descobriu que não poderá realizar de imediato seu plano de instalar boias para impedir que o óleo chegue ao rio pela falta de equipamentos do tipo, que haviam sido prometidos pela Petrobrás.

A foz do São Francisco, maior rio inteiramente brasileiro, fica na divisa entre Alagoas e Sergipe. O aparecimento do óleo ficou restrito à foz, não chegando a invadir o rio. Portanto, até o momento, o abastecimento da população nordestina não foi afetado.

Quais os riscos para os banhistas?

Estão sendo tomadas previdências para evitar o contato direto dos banhistas com o piche, que pode provocar  irritações e processos alérgicos, especialmente na superfície da mão, nos olhos e na boca.  A fim de preservar a vida e a saúde das pessoas, é importante não tomar banho, pescar ou comer nas praias afetadas.

O que os banhistas devem fazer caso se sujem com as manchas de óleo?

Para alertar a população, o Instituto de Defesa do Meio Ambiente em Natal (Idema), juntamente com o projeto Tamar, elaborou material educativo com os procedimentos que devem ser tomados em caso de contato com o óleo ou tiver conhecimento de um animal contaminado. É preciso evitar o contato com o óleo e, caso aconteça, colocar gelo no local ou retirar com óleo de cozinha. Caso a pessoa tenha reação alérgica, procurar urgentemente atendimento médico.

Segundo o diretor geral do Idema, Leonlene Aguiar, todos os municípios estão orientados para a coleta feita pela limpeza urbana, de forma adequada, com pá, luvas e sem utilização de máquinas. 

Entenda como o óleo encontrado nas praias nordestinas pode afetar a saúde humana.

Quais os riscos para os peixes?

Não há evidência de contaminação de peixes ou crustáceos, mas a orientação é para que as autoridades locais de vigilância sanitária avaliem o pescado capturado nas áreas afetadas. 

E para os outros animais?

O espalhamento de óleo ameaça tartarugas, aves e o peixe-boi marinho, o mamífero dos oceanos com maior risco de extinção no Brasil. Segundo especialistas, o petróleo cru pode afetar a digestão dos animais e o desenvolvimento de algas, essenciais para a cadeia alimentar dessas espécies.

Qual será a punição para o responsável pelo vazamento?

Se o responsável pelo despejo for identificado, mesmo que seja estrangeiro, poderá ser multado em até R$ 50 milhões, com base na Lei 9.605/1988, que pune condutas lesivas ao meio ambiente. O culpado por poluir o oceano terá, ainda, de responder pelo crime ambiental.   

Quem tiver pacote de férias comprado para viajar para o Nordeste pode desistir e pedir o dinheiro de volta?

Turistas que vão para locais do Nordeste afetados pelo óleo podem negociar com as operadoras com as quais fecharam pacote para remarcar datas ou até cancelar a viagem, sem ter de pagar multa por isso. Esse é o entendimento do Procon de São Paulo, que afirma que o consumidor não pode ser responsabilizado ou prejudicado por algo que não tem culpa.

'Estadão Notícias': Qual tamanho da tragédia com óleo no mar do Nordeste? Especialistas explicam - Ouça:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Entenda como o óleo achado nas praias do Nordeste pode afetar a saúde humana

Embora a quantidade de petróleo encontrada seja elevada, não é suficiente para apresentar grandes riscos à população local

Jessica Nakamura, especial para o Estado

10 de outubro de 2019 | 09h00

SÃO PAULO - Considerado o maior episódio de vazamento de óleo no Brasil em termos de extensão, o desastre ambiental que atingiu pelo menos 139 pontos nos nove Estados do Nordeste pode causar impacto na saúde humana, ainda que em escala pequena, quando comparada aos danos ao ecossistema local.  Especialistas afirmam que o poluente pode desencadear doenças respiratórias e da pele, mas destacam que seria necessária exposição prolongada para levar a problemas mais graves.

"O petróleo é resultante da decomposição de matéria orgânica presente no planeta há milhões de anos, formando uma mistura de hidrocarbonetos como tolueno, xileno, benzina e benzeno. Sendo assim, o risco se assemelha ao de inalar ou passar gasolina ou querosene na pele", afirma o médico toxicologista Anthony Wong, diretor do Centro de Assistência Toxicológica da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo Wong, é difícil precisar a toxicidade do óleo em questão, porque cada poço de petróleo é gerado a partir da decomposição de plantas, animais e outros materiais orgânicos provenientes de fontes distintas.

Para Entender

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Óleo se espalha pelos 9 Estados da região. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira

"Alguns petróleos têm mais substâncias tóxicas, outros menos. Os que possuem mais benzeno em sua composição podem, em casos mais graves, provocar alterações neurológicas e até leucemia", explica.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Alguns petróleos têm mais substâncias tóxicas, outros menos. Os que possuem mais benzeno em sua composição podem, em casos mais graves, provocar alterações neurológicas e até leucemia
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Anthony Wong, diretor do Centro de Assistência Toxicológica da USP

A  inalação dos gases liberados com a vaporização do petróleo pode levar a quadros de doenças respiratórias, como bronquite e asma.

"O maior problema acaba sendo uma pneumonia química causada pela aspiração dos hidrocarbonetos, que também pode levar a uma depressão do sistema nervoso central", explica Daniel Junqueira Dorta, professor de Toxicologia e Química Clínica da USP e membro do conselho consultivo da Sociedade Brasileira de Toxicologia. 

Já o contato do óleo com a pele pode causar uma lesão chamada dermatite de contato aguda, segundo Luiz Fernando Fleury, da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

"O contato prolongado pode levar a elaioconiose, uma lesão por obstrução de poros. Mas isso seria mais para pessoas que trabalham com o óleo, que lidam com essas substâncias de maneira mais crônica", esclarece.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O contato prolongado pode levar a elaioconiose, uma lesão por obstrução de poros. Mas isso seria mais para pessoas que trabalham com o óleo, que lidam com essas substâncias de maneira mais crônica
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Luiz Fernando Fleury, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

Os especialistas são unânimes ao afirmar que, para que a situação chegue a altos níveis de gravidade, é necessário que a pessoa tenha contato repetido e prolongado com o óleo, a ponto de o organismo absorver e jogar as substâncias tóxicas na corrente sanguínea. E, embora a quantidade de óleo encontrada nas praias nordestinas seja grande, não é suficiente para apresentar grandes riscos à população local.

"Em geral, essas pessoas estão em ambiente externo, então não vão ser expostas à inalação de altas concentrações dos hidrocarbonetos", explica Wong. "O problema seria se estivesse em ambiente fechado ou se houvesse quantidade muito maior no mar, porque haveria vaporização constante, fazendo com que, eventualmente, as pessoas que moram na região absorvessem as substâncias tóxicas."

Se houver contato, recomendação é lavar rápido

É recomendável que os banhistas se mantenham longe do mar, já que o petróleo solúvel em água é o que mais penetra na pele. Em caso de contato, deve-se lavar o mais rápido possível com água e sabão.

"Em caso de ingestão, o tratamento recomendado é oferecer carvão ativado para o paciente, para evitar a absorção da substância e promover uma eliminação mais fácil pelo organismo", finaliza Dorta.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Em caso de ingestão, o tratamento recomendado é oferecer carvão ativado para o paciente, para evitar a absorção da substância e promover uma eliminação mais fácil pelo organismo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Daniel Junqueira Dorta, professor de Toxicologia e Química Clínica da USP

Para alertar a população, o Instituto de Defesa do Meio Ambiente (Idema), em Natal, juntamente com o Projeto Tamar, elaborou material educativo com os procedimentos que devem ser tomados em caso de contato com o óleo ou tiver conhecimento de um animal contaminado. 

É preciso evitar o contato com o óleo e, caso aconteça, colocar gelo no local ou retirar com óleo de cozinha. Caso a pessoa tenha reação alérgica, procurar urgentemente atendimento médico.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleopoluição da águapraia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Equipe do 'Estado' acompanhou o trabalho de limpeza da Praia de Itapuama, em Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, uma das regiões do Nordeste atingidas pelas manchas de petróleo Tiago Queiroz|Estadão

'Estadão' no rastro do óleo no Nordeste

A repórter Priscila Mengue e o fotógrafo Tiago Queiroz acompanham o drama das manchas de petróleo nas praias da região

Priscila Mengue (textos) e Tiago Queiroz (fotos) , enviados especiais ao Nordeste

Atualizado

Atualizado

Equipe do 'Estado' acompanhou o trabalho de limpeza da Praia de Itapuama, em Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, uma das regiões do Nordeste atingidas pelas manchas de petróleo Tiago Queiroz|Estadão

JABOATÃO DOS GUARARAPES - O litoral do Nordeste brasileiro virou o foco das atenções desde o início de setembro com o aparecimento de manchas de petróleo nas praias e em outros pontos da costa. Para acompanhar de perto o drama vivido pela população da região e os impactos ambientais, o Estado enviou ao Nordeste a repórter Priscila Mengue e o repórter fotográfico Tiago Queiroz.

Confira a seguir as reportagens produzidas diretamente do Nordeste:

  1. Estadão no rastro do óleo - De peneira de cozinha a itens de jardinagem: o que voluntários usam para tirar óleo
  2. Estadão no rastro do óleo - Óleo chega à foz do Rio Jaboatão, em PE; presos do semiaberto ajudam na limpeza
  3. Estadão no rastro do óleo - Óleo afeta mercado de pescado e estudo da UFBA alerta sobre contaminação
  4. Estadão no rastro do óleo - Voluntários relatam náusea e alergia após contato com óleo; ministro da Saúde diz que não há alerta
  5. Estadão no rastro do óleo - Óleo retirado de praias vira combustível para indústria em Pernambuco
  6. Estadão no rastro do óleo - Em praia turística, mergulhadores e funcionários de restaurante tiram óleo de corais 
  7. Estadão no rastro do óleo - Os ‘paulistanos’ nascidos em Pernambuco que retiram óleo das praias
  8. Estadão no rastro do óleo - De praia em praia, cientistas se mobilizam para coletar amostras de óleo no nordeste 
  9. Estadão no rastro do óleo - 'Homens-tatu’ se embrenham entre pedras para retirar óleo de praias nordestinas 
  10. Estadão no rastro do óleo - Exército e Marinha ignoram recomendação do Ibama sobre itens de proteção 

Bastidores da Cobertura - Clique aqui e veja como foram os bastidores da cobertura da repórter Priscila Mengue e do repórter fotográfico Tiago Queiroz.

Para Entender

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Óleo se espalha pelos 9 Estados da região. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.