Entenda a reunião da ONU sobre o clima em Bali

BBC Brasil explica do que trata e porque a reunião tem merecido tanto destaque.

BBC Brasil, BBC

04 de dezembro de 2007 | 12h15

Para muitos especialistas, o 13ª encontro da Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC, na sigla em inglês), em Bali será "fundamental" para o futuro das políticas relacionadas ao aquecimento global.A expectativa é que do encontro na Indonésia, que ocorre entre 3 e 14 de dezembro, saíam as bases para o substituto do Tratado de Kyoto, o atual acordo internacional sobre emissões de gases do efeito estufa, que vence em 2012.Abaixo a BBC Brasil reponde algumas das questões que cercam o encontro. O encontro em Bali é a 13º reunião anual do grupo da ONU chamado de Convenção das Partes (COP, na sigla em inglês).Esse grupo é a instância decisória da "Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudança Climática", nome dado ao tratado que surgiu depois da "Rio 92", a conferência da ONU que reuniu líderes do mundo todo no Rio de Janeiro em 1992 para discutir as mudanças no clima. O tratado entrou em vigor em 1994 e prevê que todos os 192 países signatários vão trabalhar para "enfrentar os desafios do aquecimento global".O tratado prevê também que os países vão trocar informações sobre a emissão dos chamados gases do efeito estufa, criar estratégias para tentar conter essas emissões e cooperar na preparação de estratégias para se adaptar ao aquecimento da Terra. O conhecido Tratado de Kyoto surgiu de dentro dessa estrutura, quando membros do tratado inicial chegaram à conclusão que seria necessário que os países se comprometessem a metas de redução de emissões de gases.O tratado de Kyoto, porém, teve uma adesão menos rápida e ampla do que o acordo inicial - os Estados Unidos não aceitaram fazer parte - e tem uma data para terminar: 2012. Possivelmente o principal tema em discussão em Bali seja justamente o acerto de um cronograma para as negociações de um acordo que substitua o acordo de Kyoto. Na última reunião do G8, em Potsdam, na Alemanha, os líderes dos países mais ricos do mundo prometeram se esforçar para chegar a um projeto claro de tratado até 2009.O momento do encontro é especialmente relevante porque ele acontece menos de um mês depois que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), também da ONU, apresentou suas conclusões finais sobre o que está acontecendo com o clima global e qual a influência do homem. O documento foi o mais incisivo já produzido pelo painel científico desde sua criação, em 1988.O painel afirmou que é "muito provável" (ou seja, com mais de 90% de certeza) que o aquecimento global está sendo influenciado pela ação humana e que os impactos dessa mudança podem ser "irreversíveis" caso os governos não tomem medidas concretas. Além das bases para um tratado que substitua Kyoto, o encontro em Bali deve tocar em temas como a redução do desmatamento e a ajuda financeira a nações pobres para que elas possam enfrentar os problemas gerados pelas mudanças climáticas. O encontro em Bali está sendo visto como o primeiro de uma série de conferências da UNFCCC que deve culminar com um novo protocolo sobre emissões de gases do efeito estufa. Como o conhecimento científico sobre o tema avançou muito nos últimos anos, principalmente com os últimos relatórios do IPCC, existe uma pressão muito forte para que os governos adotem a partir de 2013 medidas mais ousadas do que as previstas no Protocolo de Kyoto.Esse expectativa, porém, torna ainda mais difícil o trabalho da convenção.Em Bali, a maioria dos governos e o secretário-geral da convenção, Yvo De Boer, concordam que, se for fechado um roteiro e um cronograma para os próximos encontros, a conferência já poderá ser considerada um sucesso.O compromisso assumido pelos países do G8 é chegar a uma proposta final de acordo até 2009, para que ela seja discutida em detalhes até 2012.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.