Carl de Souza/AFP
Carl de Souza/AFP

Empresa americana dona da Timberland, Vans e Kipling confirma suspensão de compra de couro do Brasil

VF Corporation confirmou ao 'Estado' que decidiu não seguir se abastecendo de couro e curtume do País até que haja segurança que os materiais usados não contribuem para o dano ambiental. Assunto causou polêmica nesta quarta e chegou a ser desmentido por entidade, antes de confirmação oficial pela empresa

Giovana Girardi e Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 23h27

SÃO PAULO - A VF Corporation, empresa responsável por marcas como Timberland, The North Face, Kipling e Vans, disse em nota enviada ao Estado na noite desta quarta-feira, 28, que decidiu não seguir se “abastecendo diretamente com couro e curtume do Brasil para os negócios internacionais até que haja a segurança que os materiais usados em nossos produtos não contribuam para o dano ambiental no País”. 

O assunto surgiu na manhã desta quarta, quando foi divulgado o conteúdo de uma carta  do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB) ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mencionando "suspensão de compras de couros a partir do Brasil de alguns dos principais importadores mundiais". A carta dizia que a suspensão representava uma "informação devastadora". 

Pouco tempo depois, o presidente da entidade, José Fernando Bello, disse se tratou de um “erro de pré-avaliação” da entidade. "A carta foi divulgada (pelo próprio CICB) antes da checagem com a empresa importadora", disse Bello. "Esse importador estaria supostamente suspendendo as compras. Foi um equívoco nosso. Vamos corrigir a informação junto ao governo federal."

O Estado questionou diretamente a VF Corporation sobre o assunto, que detém 18 marcas de vestuário e calçados. A nota da empresa diz que desde 2017 busca aprimorar o abastecimento global de couro por meio de “estudos para garantir que os fornecedores de couro estejam de acordo com nossos requisitos de abastecimento responsável”.

A empresa então disse que, como um resultado detalhado desse estudo, não conseguiu “assegurar satisfatoriamente que nossos volumes mínimos de couro comprados de produtores brasileiros sigam esse compromisso”. “Sendo assim, a VF Corporation e suas marcas decidiram não seguir abastecendo diretamente com couro e curtume do Brasil para nossos negócios internacionais até que haja a segurança que os materiais usados em nossos produtos não contribuam para o dano ambiental no país”, acrescentou.

O presidente Jair Bolsonaro havia chegado a se manifestar sobre o assunto. Pelo Twitter, ele disse: “Mais cedo, jornais publicaram que 18 marcas suspenderam a compra de couro brasileiro. Àqueles que torcem contra o país e que vergonhosamente divulgaram felizes a notícia, informo que o Centro de Indústria de Curtumes do Brasil negou tal suspensão. As exportações seguem normais.”

Antes do posicionamento da VF, o presidente do CICB havia dito que não havia intenção de os importadores boicotarem ou restringirem compras do produto brasileiro. Segundo ele, em contato com o CICB, o importador teria explicado que continuaria com os pedidos em andamento, mas que gostaria de "esclarecimento adicionais" sobre a origem e rastreabilidade do produto.

Também nesta quarta, a maior produtora mundial de salmão, a norueguesa Mowi ASA (MOWI.OL), declarou que poderá parar de comprar soja brasileira para ser usada na sua produção se o País não coibir o desmatamento. “É importante que nós e todos que compram bens do Brasil digam claramente que a floresta tropical deve ser preservada e a situação atual é inaceitável", disse Catarina Martins, diretora de sustentabilidade  da empresa. 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    • Elefanta Ramba chega ao Brasil e segue para 'aposentadoria' em santuário de elefantes

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.