AP
AP

Emissões do leste da Ásia poluem oeste dos EUA, diz estudo

Meta de redução da emissão de gases poluentes estabelecida por norte-americanos pode ser prejudicada

Efe,

21 Janeiro 2010 | 14h34

As emissões poluentes procedentes da Ásia afetam o meio ambiente no oeste dos Estados Unidos, o que prejudica este país na tarefa de alcançar seus objetivos de redução de gases tóxicos na atmosfera.

 

Veja também:

linkONU quer resposta de países sobre acordo climático em janeiro

linkEuropa decide se meta de CO2 será mantida após COP-15

blog Copenhague, um escândalo histórico

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono     

 

É o que diz um estudo publicado nesta quarta-feira, 20, na revista Nature, que demonstra pela primeira vez o que até agora era uma suspeita: que os níveis de ozônio na troposfera - a camada da atmosfera mais próxima da superfície da Terra - nessa região dos EUA podem estar aumentando por causa das emissões asiáticas.

 

Quando presente nas camadas mais altas da atmosfera, o ozônio ajuda a filtrar os raios ultravioleta nocivos. Porém, na troposfera, ele pode atuar como gás tóxico, causando doenças respiratórias e afetando ecossistemas.

 

Já a partir do século XIX, as emissões industriais passaram a provocar um aumento dos níveis de ozônio. Atualmente, o leste da Ásia é a região com maior crescimento de emissões do mundo.

 

Desde que se começou a medir a incidência deste gás, na década de 70 do século passado, havia a suspeita de que o aumento da produção asiática podia fazer os níveis de ozônio na troposfera americana crescerem, mas isto ainda não tinha sido comprovado.

 

O estudo utilizou medições de ozônio feitas a partir de diferentes plataformas no oeste dos EUA e descobriu um significativo aumento da proporção de ozônio no ambiente entre 1995 e 2008.

 

O ritmo de crescimento da presença de ozônio crescia na medida em que aumentava a influência das medições da poluição diretamente transportada da Ásia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.