Arquivo/AE
Arquivo/AE

Embrapa estuda espécie nativa da Ásia como opção ao eucalipto e pinus

Teca pode vir a ser adotada para reflorestamento de áreas desmatadas no País

Agência Brasil

27 Maio 2010 | 11h11

RIO - Uma espécie florestal relativamente nova no Brasil pode vir a ser adotada para reflorestamento de áreas desmatadas no País e servir como opção a outras madeiras usadas no plantio, como o eucalipto e o pinus. Trata-se da teca, que é objeto de pesquisas na Embrapa Florestas.

 

Veja também:

linkMG, PR e SC lideram desmatamento da Mata Atlântica

linkIbama já culpa greve por maior desmate na Amazônia

 

O chefe de pesquisas da unidade da Embrapa, Ivar Wendling, afirmou que a teca, nativa da Ásia, chegou ao país há 15 anos e está crescendo de importância devido às demandas do setor florestal. "De acordo com as estatísticas, existem mais de 50 mil hectares plantados com teca no Brasil, com perspectiva de aumento", e Mato Grosso é o estado que mais planta a espécie, disse.

 

Wendling explicou que a teca se adapta às áreas de clima seco e de temperatura alta, mas que não há ainda informações suficientes para afirmar que ela poderia ser eficaz no reflorestamento em regiões úmidas, como a Amazônia. "A ciência ainda não tem essa resposta se pode ou não pode (servir)", disse.

 

Na avaliação do pesquisador, as espécies florestais novas, como a teca, têm de início uma área de preferência mais restrita. Após os melhoramentos genéticos, ela pode crescer e aumentar a produtividade, melhorando inclusive a qualidade da madeira. "É nessa linha que a pesquisa precisa avançar um pouco mais para dar essas respostas". E como se trata de uma espécie nova no Brasil, ela tem potencial que precisa ser explorado, afirmou Wendling.

 

Opção para a indústria

 

Para as indústrias madeireiras, a teca é uma opção ao pinus e ao eucalipto. "Ela tem um nicho de mercado bem interessante. A qualidade da madeira pode ser muito boa, dependendo do manejo e da idade em que vai ser cortada. Tem um valor agregado bastante bom". O problema, frisou, é que há pouco material disponível. "Hoje, se a gente quisesse aumentar a área de plantio, não teríamos sementes ou mudas suficientes. Isso seria uma restrição à ampliação".

 

O custo de plantio não varia muito em relação a outras espécies. Em geral, no primeiro ano, o custo de implantação de uma espécie florestal oscila entre R$ 1,5 mil e R$ 2,5 mil por hectare. No segundo ano, esse valor diminui para cerca de R$ 200 a R$ 600. Mas, a partir do terceiro ano, quase não há necessidade de manutenção.

 

A adoção da teca como alternativa para plantios florestais no país será debatida a partir desta quinta-feira, 27, no município de Sinop, em Mato Grosso, durante workshop promovido pela Embrapa Florestas. O objetivo é levantar questões, como a necessidade de se fazer um programa de melhoramento genético para a espécie e uma rede de pesquisa integrada entre instituições públicas, privadas, empresas e produtores para atuarem em sintonia.

Mais conteúdo sobre:
Embrapa eucalipto pesquisa pinus teca madeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.