Em menos de duas décadas, Brasil dobrou uso de fertilizante

Estudo 'Indicadores de Desenvolvimento Sustentável' revela que região Norte é a menos afetada

Gabriela Moreira e Felipe Werneck, Estado de S. Paulo

01 de setembro de 2010 | 10h51

RIO DE JANEIRO - Em 16 anos, o País dobrou a quantidade de fertilizantes usados nas áreas plantadas. Foi de 69,4 quilos por hectare em 1992, para 143,7 quilos por hectare, em 2008, segundo informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em sua pesquisa "Indicadores de Desenvolvimento Sustentável", referente ao ano de 2010.

 

O crescimento revela que embora não tenha ocorrido avanço no uso da terra, ocorreu uma intensificação no tipo de uso. Essa intensificação tem sido feita com excesso de uso de fertilizantes. Isso traz problemas ambientais sérios, como a contaminação dos lençóis freáticos e riscos à saúde dos consumidores e do homem rural.

 

Veja também:

link IBGE revela que cobertura original do Cerrado foi reduzida pela metade 

link Área total desmatada da Amazônia já chega a 15%, diz IBGE

link Concentração de ozônio cresce em áreas urbanas

link Território para pastagens dobrou nas últimas décadas, mostra IBGE

 

A região Norte é a que menos usa fertilizante por hectare plantado (57 quilos por hectare). Os estados do Acre e Amazonas se destacam como os que menos usam (12,7 quilos por hectare e 12,8 quilos por hectare, respectivamente).

 

As regiões Sudeste (199,3 quilos por hectare) e Centro-Oeste (173,6 quilos por hectare) são as que mais usam fertilizantes por unidade de área. Os estados de Minas Gerais (242 quilos por hectare) e Goiás (203,5 quilos por hectare) ficam bem acima do total nacional (143,7 quilos por hectare).

 

O uso de agrotóxicos também foi pesquisado para o levantamento. Neste ponto, São Paulo se destaca como o estado que mais usa herbicidas, fungicidas, inseticidas e outros por hectare de plantação. Enquanto o total nacional ficou em 3,2 quilos por hectare, em 2005, em SP são usados 7,6 quilos por hectare.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.