Em BH, só sacolinhas biodegradáveis

Lei municipal entrou em vigor este mês

O Estado de S. Paulo

04 de março de 2011 | 14h28

Começou a valer neste mês uma lei municipal que permite apenas o uso de sacolinhas biodegradáveis (como as feitas com amido de milho) nas padarias, supermercados, lojas, drogarias e outros pontos de varejo de Belo Horizonte (MG). Elas serão vendidas a R$ 0,19 no comércio.

As sacolas biodegradáveis parecem com as sacolas de plástico comuns, mas, por serem feitas com material orgânico, elas se decompõem em 180 dias e podem servir de adubo para o solo. As sacolas plásticas comuns e as chamadas oxibiodegradáveis não poderão mais ser oferecidas aos consumidores. Quem desrespeitar a legislação pode pagar multas de até R$ 1 mil.

Porém, nos próximos 45 dias, a fiscalização não será punitiva. Nesse período, a ideia é conscientizar a população com a campanha “Sacola Plástica Nunca Mais”. Os estabelecimentos participantes da campanha terão um modelo de sacola retornável que será vendida a R$ 1,98 – preço de custo. As lojas e mercados deverão incentivar o uso de alternativas mais sustentáveis, como carrinhos e caixas de papelão. Em Belo Horizonte são utilizadas 157 milhões de sacolinhas plásticas ao ano e o objetivo é reduzir o uso em 80%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.