Fazry Ismail/EFE
Fazry Ismail/EFE

El Niño se torna um desastre humanitário e afeta 60 milhões

ONU pede US$ 3,2 bilhões para ajudar 13 países atingidos; um dos mais prejudicados é a Etiópia, que enfrenta a pior seca em 50 anos

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

26 de abril de 2016 | 14h12

GENEBRA - Os fenômenos climáticos causados pelo El Niño deixam 60 milhões de pessoas em situação de profunda vulnerabilidade e sem alimentos. Com secas, inundações e eventos climáticos extremos, o El Niño neste ano é considerado pelas entidades internacionais como uma real ameaça a décadas de progressos em países na luta pelo desenvolvimento. 

O alerta foi feita pela Organização das Nações Unidas (ONU) que, nesta segunda-feira, 25, convocou uma reunião de emergência para buscar apoio a essa população afetada. Para a entidade, o fenômeno já se transformou em um desastre humanitário e deve se intensificar ainda mais entre o final de 2016 e o início de 2017. "Tememos que o pior ainda está por vir", indicou o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). 

Em 2016, cientistas acreditam que estejam presenciando o ciclo mais forte do El Niño, um fenômeno que envolve o aquecimento acima do normal nas águas do Oceano Pacífico, com impactos em todo o planeta. 

No total, a ONU estima que vá precisar de US$ 3,2 bilhões para evitar a morte de milhares de pessoas. Mas, apesar de negociar a ajuda com governos, a entidade admitiu nesta segunda-feira que ainda tem um buraco em suas contas de mais de US$ 2,2 bilhões.

Um dos locais mais atingidos foi a Etiópia. No país, a seca é a pior em 50 anos e já deixou 10 milhões de pessoas em situação crítica, exigindo a ONU investimentos de US$ 570 milhões para distribuir alimentos. Uma situação parecida também foi registrada no Lesoto, onde a população passou a receber ajuda. No total, 32 milhões de pessoas ainda estão sendo afetadas no sul da África por causa da falta de alimentos. 

No Haiti, o El Niño está agravando a fome. A colheita foi reduzida em 50% diante do impacto climática. A ONU pede à comunidade internacional cerca de US$ 105 milhões para lidar com a nova onda de fome. Mas, até agora, só conseguiu arrecadar 10% dos recursos necessários. 

O subsecretário da ONU para Assuntos Humanitários, Stephan O'Brian, admitiu até mesmo que a crise causada pelo El Niño pode afetar os sinais de estabilização social e política no país mais pobre do Ocidente. "Onde existe falta de recursos, existem condições para a instabilidade e o movimento de pessoas", alertou.

Segundo ele, vários outros países latino-americanos também sofrem com o El Niño e com a falta de recursos internacionais. "O efeito tem sido extremamente severo", indicou. "Para Guatemala, precisamos de US$ 57 milhões, mas só temos 13% dos recursos. Em Honduras, temos apenas 22% dos US$ 44 milhões necessários", indicou. 

A ONU colocou 23 países em uma lista de locais mais atingidos pelo El Niño. Desses, 13 terão uma atenção especial. "Trata-se de um grande desastre", disse Stephan O'Brian. "O problema é que temos um buraco enorme em termos de recursos e precisamos garantir remédios, sementes e alimentos a milhões de pessoas", disse. "O silêncio precisa acabar. Ele está causando mortes", insistiu.

Quem também faz o alerta é o Programa da ONU para o Desenvolvimento, que já adiantou que, depois do El Niño, esses mesmos países terão de estar preparados para o fenômeno do La Niña.  

Para Wolfgang Jamann, presidente de uma das maiores organizações não governamentais do mundo, a Care, as mudanças climáticas farão com que o os fenômenos extremos fiquem cada vez mais frequentes. "A vida vai ficar mais difícil para os mais pobres", constatou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.